Jeová Campos

Jeová Campos receberá premiação como o ‘Melhor Deputado Estadual’

Posted on

O deputado estadual Jeová Campos (PSB) foi escolhido como o parlamentar mais atuante da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) no ano de 2018. O evento, intitulado “Os Melhores Do Ano”, acontece há 30 anos e já faz parte do calendário festivo de Cajazeiras. Ele é realizado pelos empresários Olivan Pereira (Big Boy) e Mário Alves que, através de pesquisa de opinião pública, reconhece e premia os destaques de diversas áreas profissionais. A 30ª edição da festa acontecerá neste sábado (25), no Cajazeiras Tênis Clube, a partir das 21 horas.

Em seu terceiro mandato como deputado estadual, Jeová Campos é presidente da Frente Parlamentar da Água e da Agricultura e tem um trabalho atuante em defesa da educação, do trabalhador, dos recursos hídricos e, especialmente, do homem do campo. Em todos os três mandatos, Jeová sempre se destacou por ter um olhar especial para a questão social, até em função de sua história de vida visto que, através da Educação Jeová saiu da condição de vendedor de alho para tornar-se advogado, professor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e, posteriormente, deputado estadual.

Assim, o acesso à Educação de qualidade, a defesa do desenvolvimento sustentável, a garantia da água como um direto de todos, obras que se traduzem em qualidade de vida para o sertanejo paraibano, bem como a Justiça e a geração de trabalho e renda para todos, são algumas das bandeiras de Jeová na Casa de Epitácio Pessoa. “O mandato nos abre portas e facilita chegar às instâncias que podem dar encaminhamentos ao clamor da sociedade. A atividade política, quando bem exercida e em prol do povo, tem uma força extraordinária na melhoria da vida das pessoas, por isso que eu a exerço da melhor forma que posso, defendendo as bandeiras que acredito e que penso serem dignas dos paraibanos, especialmente, os mais humildes, os mais necessitados, que sempre foram o foco de minha luta como advogado, professor, cidadão e agente público”, destacou Jeová.

Mas, outros critérios também levaram seu nome ao destaque como a assiduidade em sessões deliberativas, a participação nos debates do Parlamento, o desempenho na apresentação de propostas legislativas, a capacidade de articulação política e os compromissos no combate à corrupção e ao desperdício de recursos públicos e na defesa da democracia.

Na festa deste sábado, uma das novidades do evento será a presença do humorista e ator global Lucas Veloso, filho do inesquecível Shaolin, que estará animando o público. Diversas autoridades estarão presentes da ocasião, inclusive o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, que receberá o prêmio de Melhor Gestor. Além disso, a festa contará com as presenças de representantes de vários setores como indústria, comércio, universidade, órgãos públicos, além de profissionais da imprensa, que receberão comendas.

Privatização do abastecimento de água será a desestruturação do saneamento básico no país afirma deputado Jeová Campos

Posted on

A privatização dos serviços de abastecimento de água e saneamento básico é uma preocupação do deputado estadual Jeová Campos (PSB), tanto que o parlamentar fez um requerimento propondo a realização de uma audiência pública no âmbito da Frente Parlamentar da Água e da Agricultura Familiar e da Comissão de Administração, Serviço Público e Segurança da ALPB. A proposta visa debater os impactos da Lei de Conversão nº 08/2019, que tramita no Congresso Nacional, e que significará a total desestruturação do saneamento básico no Brasil. “Isso será muito ruim pois a água passara a ser encarada como uma mercadoria e não como um direito do cidadão”, afirma o parlamentar.

Para o deputado, caso o Projeto de Lei seja aprovado, isso significará que a água, bem como o saneamento básico, serão tratados como mercadoria. tal como qualquer outro produto, e não como um direito do povo. “Se a conta de água hoje é considerada cara, isso vai piorar porque as empresas privadas estão interessadas em lucros e, para isso, não medirão esforços para elevar o valor da conta”, afirmou o parlamentar, destacando ainda que quem sofrerá mais serão as cidades menores.

“Hoje, as tarifas arrecadadas nas cidades maiores ajudam a garantir os serviços de água e esgoto para as cidades menores e mais carentes de recursos. Se essa proposta for aprovada, os recursos arrecadados do consumo de água das cidades maiores vão ficar com as empresas e os custos das cidades menores, mais pobres, ficarão com as prefeituras ou com o Estado”, argumenta Jeová, acrescentando que as empresas privadas poderão escolher quais municípios vão prestar os serviços. “Elas vão preferir atender às cidades que dão lucro”, comentou.

Para Jeová está claro que as modificações “não são direcionadas para a melhoria dos serviços prestados ou para a universalização dos mesmos e, particularmente, para o atendimento da população carente residente nas periferias das grandes cidades e na zona rural, que em muitas regiões ainda não têm acesso aos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário. O objetivo é ampliar o espaço dos negócios das empresas privadas”, reitera o parlamentar.

Em seu requerimento, Jeová ainda destaca os exemplos de estados como o Tocantins e o Amazonas, bem como cidades europeias e norte-americanas, que tentaram privatizar o abastecimento de água, mas não deu certo. “Eles perceberam que após a privatização, os serviços ficaram mais ruins e caros, por vários motivos”, diz Jeová, destacando entre eles, o desempenho medíocre das empresas privadas, os poucos investimentos, as disputas sobre custos operacionais e aumento abusivo de preços, a dificuldade em fiscalizar empresa privada, a falta de transparência financeira nas operações, além da má qualidade de serviço.

“No Estado de Tocantins, a prestadora do serviço faliu. Em Manaus, todo o serviço é privatizado e a população reclama do sistema caro e de péssima qualidade”, afirma Jeová lembrando que o Brasil precisa defender que o saneamento seja uma política pública de promoção de saúde e da igualdade social, com o controle estatal e popular dos serviços, Essa será uma das bandeiras do deputado durante a audiência que pretende realizar.

Para a audiência, que ainda terá que ser aprovada em plenário, Jeová solicitará que sejam convidados o Diretor-Presidente da CAGEPA; o Procurador-Geral do Estado da Paraíba; o Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba; o Desembargador Presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba; o Secretário de Administração do Estado da Paraíba; Representantes do Ministério Público Estadual e Federal; além de representantes do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Purificação de Água e em Serviços de Esgotos do Estado da Paraíba – SINDIÁGUA; o Presidente da Federação dos Municípios da Paraíba – FAMUP, entre outras autoridades.

Entenda a questão

Em julho de 2018 o Governo Federal editou a Medida Provisória n. 844/2018, que “Atualiza o marco legal do saneamento básico e altera a Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000, para atribuir à Agência Nacional de Águas competência para editar normas de referência nacionais sobre o serviço de saneamento, a Lei nº 10.768, de 19 de novembro de 2003, para alterar as atribuições do cargo de Especialista em Recursos Hídricos, e a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, para aprimorar as condições estruturais do saneamento básico no País”. A MP, na época, não foi aprovada pela Câmara Federal.

Porém, no final do governo do ex-presidente Michel Temer, no dia 28 de dezembro de 2018, editou a Medida Provisória Nº 868/2018, que trata do mesmo assunto, acrescentando ainda a Lei Nº 13.529/2017 para autorizar a União a participar de fundo com a finalidade exclusiva de financiar serviços técnicos especializados. A referida MP deu origem ao Projeto de Lei de Conversão Nº 08/2019, em tramitação no Congresso Nacional. Ela foi editada para facilitar a privatização

Vale lembrar que em 2007 aconteceu a edição da Lei Nacional de Saneamento Básico (Lei n° 11.445), que significou grande mudança para a população brasileira, tendo em vista vários avanços com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e outros tantos em função da universalização dos serviços.

As alterações propostas contidas no Projeto de Lei de Conversão Nº. 08/2019, em tramitação no Congresso Nacional, desfiguram essa Lei do Saneamento e coloca em cheque vários dispositivos da Constituição Federal (art. 241) relacionados à gestão pública do serviço e seus consórcios. “É um verdadeiro absurdo e a Assembleia Legislativa da Paraíba vai se posicionar nesse debate e exercer o seu papel que é a defesa da população”, afirmou Jeová.

Criação da Academia Cajazeirense de Artes e Letras preserva a memória e valoriza a cultura afirma deputado Jeová Campos

Posted on

O deputado estadual Jeová Campos (PSB) anunciou hoje (21), que na próxima sexta-feira (24), será instalada a Academia Cajazeirense de Artes e Letras (Acal). O parlamentar parabenizou a iniciativa que partiu de um grupo de intelectuais e artistas de Cajazeiras. “Preservar a memória e valorizar a cultura na terra do Padre Rolim é uma iniciativa louvável e digna de aplausos e eu aqui quero parabenizar os idealizadores dessa iniciativa”, destacou o deputado em discurso na tribuna da ALPB. Os imortais da Acal tomarão posse no mesmo dia de fundação da Academia. Serão 40 patronos e 40 membros.

O deputado lembrou que grandes nomes da história cajazeirense serão patronos dos novos acadêmicos, a exemplo de Pe. Rolim, de Cristiano Cartaxo, de Zacarias de Moura e da Professora Nazaré Lopes, que são grandes ícones da educação, e também da arte e da música, como Zé do Norte. “Quero fazer o registro da ousadia desta terra de criar uma Academia de Artes e Letras justamente num momento onde o país passa por um período bem obscuro, cujo governo federal, anda de ré e na contramão do desenvolvimento e progresso ao cercear a autonomia universitária, reduzir investimentos em educação pública e comprometer, desta forma, o futuro de nosso país e das atuais e futuras gerações”, disse Jeová.

Para ele, Cajazeiras dá uma lição com essa iniciativa. “A criação desta Academia mostra que Cajazeiras continua a ter visão, a enxergar longe e a valorizar a cultura e artes, sem as quais, junto com a educação, nenhuma cidade, estado ou nação progride”, finaliza o deputado.

‘O povo está acordando da inércia e despertando para o fato de que somente o eco das ruas vai barrar tantos desmandos’ afirma Jeová

Posted on

Primeiro foi milhares de pessoas que foram às ruas protestar contra os cortes de recursos das universidades e instituições públicas de ensino anunciados pelo MEC. Agora, são manifestações país afora contra o governo de Jair Bolsonaro e pedindo a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso, em Curitiba, há mais de um ano. Na análise do deputado estadual Jeová Campos (PSB), o povo começa a acordar, se movimentar, ganhar as ruas, afinar a voz, soltar o grito para, enfim, fazer valer o que prega a Constituição de 1988: ‘Que todo poder emana do povo…’ “O povo brasileiro está acordando, ainda bem, e percebendo que somente o eco das ruas será capaz de colocar rédeas neste governo e de mostrar aos nossos representantes em Brasília que eles são instrumentos de representatividade política e que têm que atuar em sintonia com os anseios da sociedade e não de interesses escusos e individuais”, afirma o parlamentar.

Segundo Jeová, a manifestação da noite deste domingo (19), no maior shopping center de João Pessoa, foi uma injeção de ânimo. “Ao ver as imagens, fiquei emocionado, porque você percebe que as pessoas estão ali espontaneamente, com o coração, e ao observar a reação do público a gente percebe que isso contagia. Fiquei extremamente revigorado com o que assisti, isso me fortalece porque percebo que não somos poucos, mas, muitos e por isso mesmo somos muito fortes”, disse o deputado.

O ato público em favor da liberdade de Lula, ocorreu no final da tarde, no interior do Manaíra Shopping, na Praça da Alimentação, em João Pessoa. A ação foi organizada pelo Comitê Estadual Lula Livre e, pelos vídeos divulgados em redes sociais, dá para perceber que o ato recebeu ampla adesão do público que frequentava o local no momento da manifestação. O ato teve músicas e gritos de palavras de ordem como “Lula Livre!”, “Olê, olê, olê, olá, Lula, Lula!” e “Lula, guerreiro do povo brasileiro!”. Muitos manifestantes e simpatizantes fizeram ainda um gesto corriqueiro nas campanhas do petista, ou seja, o ‘L’ de Lula com as mãos.

Para Jeová, é necessário também pedir a tão sonhada reforma política que ainda não ocorreu. “É preciso mudar a forma como as eleições acontecem neste país, é necessário instituir um compilado normativo que sintetize os anseios da população e não mais dê respaldo à corrupção e a falta de caráter de alguns políticos e é necessário fortalecer as ideias democráticas”, destaca o parlamentar, complementando que “enquanto houver um folego de vida e, enquanto vida existir, deve-se lutar contra a morte. A morte da consciência política e da moral administrativa. Ou seja, a morte do Estado Democrático de Direito”.

Na opinião do deputado, além da população está percebendo que o atual governo federal não tem compromisso com a classe trabalhadora, com a educação, com a saúde pública, nem com as classes menos favorecidas, todos sabem que a prisão de Lula é um ato político e não jurídico. “Todos sabem que ele está preso injustamente. Tem também a reforma da previdência batendo em nossas portas para comprometer a nossa vida e das futuras gerações de trabalhadores deste país. Isso tudo já é suficiente para mobilizar as massas, que tem que ir para as ruas e mostrar a sua força”, disse Jeová, convocando quem puder ir para o próximo ato público pró Lula Livre que acontecerá no domingo (26), com um corpo a corpo na Feira de Oitizeiro, em João Pessoa.

Audiência pública em Sousa e visita técnica às obras do Açude São Gonçalo fizeram parte da agenda do deputado Jeová nesta sexta-feira

Posted on

 

O deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar da Água e da Agricultura da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) participou nesta sexta-feira (17), de dois importantes eventos, No início da manhã, ele presidiu uma audiência pública que debateu as novas políticas para a Agricultura Familiar no âmbito do Governo do Estado. A reunião aconteceu no auditório da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG e contou com a participação de agricultores da região e ainda do secretário da Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido da Paraíba, Luiz Couto. Em seguida, o parlamentar fez uma visita às obras do açude de São Gonçalo para verificar o andamento das obras que estão atrasadas, já que eram para ser concluídas em 16 meses e já se passaram mais de 20.

Sobre a audiência, o deputado disse que essas ações da Frente, com foco na agricultura familiar, tem sido a marca de seu mandato neste primeiro semestre. “Sem dúvida nenhuma, essas audiências que tenho feito marcam significativamente meu mandato e me dão um fôlego de entusiasmo porque são eventos muito positivos, com discussão muito qualificadas sobre agricultura familiar”, destacou Jeová.

Na realidade, segundo ele, é emocionante constatar o desejo das pessoas que vivem na roça e da roça, de permanecer onde estão, mas, com mais qualidade de vida. “Fica evidente nos depoimentos e participações dos agricultores, o desejo de continuar produzindo um alimento saudável, sem veneno, sem agrotóxico, sem esquecer de agregar novas tecnologias e melhores práticas no campo. E isso tudo me encanta porque conheço essa realidade de perto”, reiterou o parlamentar.

Após a visita ao açude de São Gonçalo, o deputado disse que ficou constatado que 2/3 da obra já está pronta, mas a empresa responsável pela obra demonstra dificuldade financeira de terminar as ações. “Pelo que eu vi, haverá a necessidade de interlocução com o DNOCS para que seja contratada uma outra empresa, em caráter emergencial, para que a obra seja concluída, pois a atual empresa responsável pela obra está demonstrando incapacidade financeira para a conclusão da mesma”, disse o parlamentar.

Durante a visita, o engenheiro fiscalizador, André Sarmento, explicou todas as etapas da obra do açude e o que ainda falta ser feito. “Essa visita técnica foi muito importante, pois passamos a ter todas as informações relevantes e atuais para, a partir daí, poder fazer a ingerência política no sentido de cobrar a substituição da empresa e a conclusão da obra ao DNOCS”, destacou Jeová, lembrando que as obras executadas no açude são de reparo para que a barragem, que faz parte do Eixo Norte da Transposição não tenha problemas quando receber as águas do São Francisco.

Audiência pública em Sousa proposta por Jeová tratará de novas políticas para a agricultura familiar na PB

Posted on

O deputado estadual Jeová Campos (PSB), junto à Frente Parlamentar da Água e da Agricultura da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), estará no município de Sousa nesta sexta-feira (17), quando presidirá uma audiência pública para debater as novas políticas para a Agricultura Familiar no âmbito do Governo do Estado. A reunião acontecerá às 8h30, no auditório da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG e contará com a participação do secretário da Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido da Paraíba, Luiz Couto.

Como presidente da Frente Parlamentar da Água e da Agricultura da ALPB, Jeová Campos está ouvindo agricultores de diversos municípios para, a partir daí, se construir um projeto com ações mais efetivas para o setor. Para o parlamentar, é preciso garantir a permanência do homem também no campo, permitindo-lhe condições para isso através de crédito, novas culturas e técnicas de trabalho.

“A ideia é fortalecer a agricultura familiar na Paraíba com práticas sustentáveis e eficientes que façam não só o segmento crescer, mas também que nos permita consumir produtos de boa qualidade, sem agrotóxicos e colocar a Paraíba num estágio bem mais positivo nesse sentido também, o de boas práticas”, comentou Jeová.

Após a audiência, Jeová também fará uma visita técnica às obras do Açude São Gonçalo, em Sousa. O objetivo é verificar in loco o que está acontecendo nas obras executadas pelo Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs), tendo em vista que os serviços deveriam ter sido concluídos em 16 meses e a obra já se arrasta por mais de 20 meses.

“Essas obras são de reparo para que a barragem, que faz parte do eixo norte da transposição não tenha problemas quando receber as águas do São Francisco, em breve”, explicou o deputado, ressaltando a importância da obra. “Como já está muito atrasada a entrega do serviço, precisamos saber, o que está acontecendo para podermos agir”, disse o parlamentar.

Essa decisão do Pleno do TRT de extinguir a Vara do Trabalho de Cajazeiras é lamentável afirma deputado Jeová Campos

Posted on

 

O pleno do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em sessão realizada nesta quinta-feira (16), em João Pessoa decidiu, por unanimidade, extinguir da Vara do Trabalho em Cajazeiras. O deputado estadual Jeová Campos, que acompanhou a sessão, ficou indignado com a decisão que vai prejudicar o acesso à Justiça para 154 mil pessoas, de 12 municípios do sertão paraibano, que ficarão impossibilitadas de resolver suas questões trabalhistas no município e terão que se deslocar a outras cidades para terem seus direitos assegurados. Agora, toda a demanda trabalhista de Cajazeiras e destes municípios será direcionada para Sousa.

“Como a Constituição assegura a facilitação do acesso à Justiça e o Pleno decide, simplesmente, fechar a Vara e deixar uma população de mais de 150 mil pessoas sem a porta da Justiça Trabalhista? Eu sinceramente, acho que isso aqui não era nem para estar sendo debatido. Essa decisão administrativa é uma lástima”, destacou o parlamentar, lembrando que os servidores do TRT também serão prejudicados porque deverão ser distribuídos para outras varas do estado.

E nem mesmo os apelos do prefeito de Cajazeiras, José Aldemir, que se dispôs a ajudar, com recursos municipais, com a manutenção da Vara foram suficientes para mudar a opinião dos magistrados. O prefeito tinha se comprometido a arcar com os custos de vigilância e limpeza da sede da Vara do Trabalho.

De acordo com o advogado de Cajazeiras Hugo Moreira, além de Cajazeiras, os cidadãos de Cachoeira dos Índios, Bom Jesus, São João do Rio do Peixe, Triunfo, Santa Helena, Bernardinho Batista, Poço José de Moura, São José de Piranhas, Carrapateira, Monte Horebe e Bonito de Santa Fé, que fazem parte da Vara, serão prejudicados com essa remoção.

O vice-presidente da OAB Paraíba, João de Deus Quirino Filho, classificou a decisão como absurda e garantiu que irá recorrer junto ao STJ – Superior Tribunal de Justiça. “É com muita tristeza que recebemos essa decisão, mas vamos recorrer, pois não podemos ficar inertes diante desse fechamento”, disse Quirino Filho. A Vara do Trabalho de Cajazeiras foi fundada no dia 18 de agosto de 1995 e ao longo dos anos se tornou um dos mais importantes órgãos da Justiça na região.

 Para Jeová, a contenção de gastos não justifica essa decisão. “Eu compreendo que o acesso à Justiça deve ser facilitado e ampliado, assim como diz nossa Constituição Federal, em seu artigo 5, e não o contrário como fizeram hoje os magistrados”, finalizou o parlamentar.

Jeová Campos defende protestos de instituições de ensino e diz que bloqueio de verba para educação é uma barbaridade

Posted on

Como grande defensor da Educação, bem como do desenvolvimento de ciência e tecnologia na Paraíba, o deputado estadual Jeová Campos (PSB), apoiou o protesto desta quarta-feira (15) contra o contingenciamento de 30% da verba federal direcionada à Educação. De acordo com o parlamentar, um país não pode avançar  no que se refere à qualidade de vida se não investir em ciência e tecnologia, de modo que a decisão do MEC, em sua opinião, representa um retrocesso para o Brasil. “Não podemos ficar inertes diante de tal barbaridade”, disse Jeová.

Nesta quarta-feira, professores, alunos e servidores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e do Instituto Federal da Paraíba (IFPB), bem como de escolas municipais da capital paraibana e estaduais, paralisaram suas atividades e foram às ruas mostrar insatisfação a respeito do bloqueio de recursos anunciado pelo MEC em abril. A decisão, segundo Jeová, afeta e, muito, a dinâmica da UFPB , que é um celeiro do ponto de vista da pesquisa.

“Temos uma Universidade forte, com excelentes profissionais que despontam no mundo com o nome de nosso estado e colocam a instituição nas melhores posições em rankings diversos. Na instalação da Frente Parlamentar da Ciência, Tecnologia e Inovação da Assembleia, recebemos o pró-reitor da UFPB que, na ocasião, nos mostrou que a nossa Universidade ocupa a 12º posição na América do Sul e a 8ª posição no Brasil em produção de pesquisa, além de sermos a quarta instituição de maior produção de patentes no país. Não se pode cortar isso!”, desabafou o deputado.

Para Jeová, não há como avançar na economia e em outros aspectos relacionados à qualidade de vida se não tiver investimento em educação. “Voltamos ao velho debate de sempre. Educação é o que muda um país. Precisamos tornar este país e a Paraíba, mais produtivos, que faça inclusão de jovens no mercado de trabalho e que se incentive também a juventude a entrar para o campo da pesquisa e não o contrário como se está fazendo”, disse Jeová, acostando-se aos protestos.

Segundo divulgação do governo federal, o que motivou o contingenciamento de 30% das verbas para Universidades e Institutos Federais foi a queda na arrecadação. O bloqueio poderá ser reavaliado, posteriormente, segundo o MEC caso a arrecadação volte a subir. A contenção desses recursos é para despesas não obrigatórias, que incluem gastos com contas de água, luz, compra de material básico, contratação de terceirizados e realização de pesquisas.

Relocação da Vara do Trabalho de Cajazeiras vai prejudicar 154 mil jurisdicionados de 12 municípios do sertão paraibano

Posted on

 

A relocação da 17ª Vara do Trabalho de Cajazeiras vai prejudicar, diretamente, 154 mil pessoas, de 12 municípios do sertão paraibano que ficarão impossibilitadas de resolver suas questões trabalhistas no município e terão que se deslocar a outras cidades para terem seus direitos assegurados. Essa questão foi pauta de uma reunião na tarde desta sexta-feira (10) com o presidente do TRT-PB, desembargador Wolney Cordeiro. O deputado estadual Jeová Campos, que tem levado esse debate da relocação da Vara para a ALPB, foi representado na ocasião por seu assessor jurídico, Hugo Moreira. No próximo dia 16 está marcado o julgamento deste processo administrativo que trata da relocação de algumas Varas, a exemplo de Cajazeiras, Picuí e Itabaiana.

O deputado, compreendendo que o acesso à Justiça deve ser facilitado e ampliado (artigo 5, Inciso XXXV da Constituição Federal), e não o contrário, se antecipou aos fatos e já protocolou requerimento junto à Assembleia Legislativa da Paraíba para que a 17ª Vara do Trabalho de Cajazeiras não seja desinstalada ou removida da cidade. “Precisamos ampliar esses espaços para tornar a Justiça Trabalhista mais célere e acessível, não o contrário”, reitera Jeová.

De acordo com o advogado Hugo Moreira, além de Cajazeiras, os cidadãos de Cachoeira dos Índios, Bom Jesus, São João do Rio do Peixe, Triunfo, Santa Helena, Bernardinho Batista, Poço José de Moura, São José de Piranhas, Carrapateira, Monte Horebe e Bonito de Santa Fé, que fazem parte da Vara, iriam ser prejudicados com essa remoção. “Nós colocamos na reunião de hoje para o desembargador Wolney Cordeiro que a relocação da Vara de Cajazeiras iria prejudicar muita gente e a própria dinâmica do município no que diz respeito à Justiça Trabalhista”, disse Hugo Moreira, que se comprometeu, junto com representantes da OAB Estadual e de Cajazeiras, a entregar a presidência do TRT, na próxima semana, um documento elencando os problemas que ocorrerão se essa Vara for removida. “Vamos lutar para que a Vara não seja relocada”, finalizou Hugo Moreira.

A alegação da necessidade de relocação de Varas, em nível nacional, passa por uma questão orçamentária, já que o Governo Federal vem, ano após ano, reduzindo o repasse de recursos, segundo explicações dadas durante a reunião pelo presidente do TRT-PB, desembargador Wolney Cordeiro. Além de Cajazeiras, os cidadãos de Cachoeira dos Índios, Bom Jesus, São João do Rio do Peixe, Triunfo, Santa Helena, Bernardinho Batista, Poço José de Moura, São José de Piranhas, Carrapateira, Monte Horebe e Bonito de Santa Fé, que fazem parte da 17ª Vara, iriam ser prejudicados com essa remoção.

“Essa é uma Vara que atende a muitos municípios. Não pode ser removida de Cajazeiras, que polariza serviços dos mais diversos no sertão, inclusive, o Judiciário. Se isso acontecer, as populações dessas cidades terão que se deslocar até outro município para ter acesso à Justiça do Trabalho. Isso não deve acontecer”, finalizou Jeová que não participou da reunião em João Pessoa por causa de compromissos assumidos anteriormente no sertão do estado.

Além de Hugo Moreira, que representou Jeová, participaram da reunião Rita Medeiros, representando a deputada Dra. Paula, o prefeito de Cajazeiras, José Aldemir,  Paulo Maia, presidente da OAB-PB, Jone Pereira, presidente da OAB de Cajazeiras e o jornalista,  Sales Fernandes representando a imprensa de Cajazeiras.

Assembleia aprova homenagem ao escritor e teatrólogo José Mota Victor com medalha Augusto dos Anjos

Posted on

Os deputados paraibanos aprovaram, por unanimidade, na sessão desta terça-feira (23), a outorga da medalha Augusto dos Anjos ao engenheiro, escritor, teatrólogo, poeta e político, José Mota Victor. A iniciativa de homenagear um cidadão que muito contribui com à cultura paraibana foi do deputado estadual Jeová Campos (PSB) “A ideia é reconhecer o talento e todo o trabalho deste grande cidadão”, afirma o parlamentar.

Recentemente, em janeiro último, o homenageado lançou mais uma obra literária, o livro ‘Ducks City – Uma cidade muito encantada não muito longe daqui (romance armorial). Com 314 páginas, é o primeiro romance armorial escrito por J. M. Victor. Este livro integra uma trilogia, cuja história vem do tempo da Paixão de Cristo e que a Igreja Católica nunca tornou pública. O primeiro livro é intitulado “O Fidalgo Destronado” e o segundo “O Cavaleiro Astucioso”. O terceiro da trilogia, intitulado “O Gênio Imaculado”, ainda não foi lançado.

No requerimento, Jeová lembra que Mota tem uma longa e reconhecida trajetória na cultura. Em 1978, ele foi premiado com a peça “A Cruz da Menina”, no IV Concurso Nacional Universitário de Peças Teatrais, promovido pelo Serviço Nacional de Teatro no Rio de Janeiro e, no ano de 1985, no Concurso Nacional Literário do IV Centenário da Paraíba, com a peça teatral “Confeitaria Glória”.

José Mota Victor também já exerceu o cargo de Conselheiro Estadual de Cultura durante dois anos (2009/2010) e foi eleito, em 2011, para assumir a cadeira número 15 do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano. É também sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Patos e Campina Grande. Além de escritor, o homenageado é engenheiro civil e servidor efetivo da CAGEPA, onde exerceu por quatro anos, com zelo e determinação, o cargo de Diretor de Operação e Manutenção daquela empresa.

“Por isso tudo, entendemos que o Mota Victor, sendo portador de um vasto currículo, seja na área cultural, seja na atividade profissional, faz jus ao recebimento da homenagem outorgada por esta Casa”, defende Jeová Campos. A data de entrega da comenda ainda será marcada.