Hospital do bem

Complexo Hospitalar Regional de Patos é também referência em procedimentos cirúrgicos no que diz respeito ao câncer de mama

Posted on

A cirurgia é um tratamento comum para o câncer de mama e seu objetivo principal é retirar o máximo possível do tumor com uma margem de segurança. Desde setembro do ano passado, quando o Hospital do Bem começou a funcionar, que o Complexo Hospitalar Regional Dep. Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) vem realizando esse tipo de procedimento tornando-se referência, também, neste tipo de serviço. Das 410 cirurgias oncológicas realizadas entre setembro do ano passado, quando começou a funcionar o Hospital do Bem, até 31 de agosto deste ano, 55 procedimentos foram relacionados ao câncer de mama. A unidade de oncologia integra o Complexo Hospitalar desde setembro do ano passado quando foi inaugurada.

De acordo com o mastologista e um dos profissionais que integra a equipe de cirurgia do Complexo. Dr. Thiago Pereira Alencar, a unidade está apta e realiza todos os procedimentos referentes ao câncer de mama, com exceção da estereotaxia. “Não realizamos apenas esse procedimento de retirada de nódulos não palpáveis ou microcalcificações, em função de não dispormos de um mamógrafo com essa função, mas todos os demais procedimentos, a exemplo, de mastectomia, esvaziamento ganglionar, cirurgias conservadoras, quadrantectomia, inclusive com a biopsia do linfonodo sentinela, entre outros, são todos feitos aqui”, afirma o médico.

Ainda de acordo com Dr. Thiago, a maior parte das mulheres com câncer de mama fará algum tipo de cirurgia como parte de seu tratamento, que dependendo da situação terá diferentes razões. “A cirurgia pode ser realizada para remover o máximo possível do tumor, diagnosticar se a doença se disseminou para os linfonodos, reconstruir a forma da mama após a cirurgia de remoção do câncer ou mesmo aliviar os sintomas do câncer de mama avançado”, destaca o mastologista, lembrando que o Complexo ainda não realiza as cirurgias de reconstrução.

Além de dispor de equipe multiprofissional, que trabalha de forma integrada, e estrutura para a realização dos procedimentos, e ainda do suporte de um ambulatório oncológico e tratamento quimioterápico completo, além de um Centro de Imagem que realiza diversos exames, a paciente que faz seu tratamento no Complexo ainda tem a vantagem de ter o tempo como seu aliado. Isto porque, explica Dr. Thiago, o intervalo entre o diagnóstico confirmado e a realização do procedimento cirúrgico, não excede mais que três semanas.

“O diagnóstico precoce e a agilidade no tratamento são determinantes para aumentar as chances de cura e aqui, no Complexo, temos uma média de apenas três semanas de intervalo entre a confirmação do diagnóstico e a realização do procedimento cirúrgico nos casos de mama”, reitera o médico, que integra a equipe de profissionais que conta ainda com os cirurgiões, Wostenildo Crispim, Antônio Segundo Neto e Manoel Dionísio.

A funcionária pública da Prefeitura de Desterro, a Sra. Lindaci Guedes, descobriu um câncer na mama direita no início de outubro do ano passado, aos 49 anos. No dia 29 do mesmo mês, fez a cirurgia de retirada total da mama com Dr. Thiago. Além da cirurgia, ela também fez quimioterapia no Hospital do Bem. Foram dez sessões no total, sendo cinco sessões da série branca e outras cinco da vermelha. O tratamento quimioterápico já foi concluído, com excelentes respostas e pouquíssimos efeitos colaterais. A indicação agora será a realização de Radioterapia, que ela fará em Campina Grande como complementar ao tratamento.

Para ela, dispor do serviço do Hospital do Bem fez toda a diferença. “Esse hospital é uma luz, um local abençoado, tudo aqui é bom, os médicos, as enfermeiras, toda equipe nos recebe com sorrisos, da recepção ao bloco cirúrgico, eles nos dão carinho e amor e toda a atenção e atendimentos para que a gente se sinta bem. Entramos aqui doentes e saímos bons”, disse Lindaci que nunca perdeu a esperança de cura, sempre manteve o alto astral, na certeza de que otimismo seria a melhor das atitudes diante do diagnóstico. “Primeiro tenho fé, muita fé, alegria de viver e ainda encontrei aqui, neste hospital, o suporte mais que necessário para superar essa doença. Gratidão é o que eu posso ter por todos vocês daqui”, disse ela nesta quinta-feira (26), após passar por uma consulta no ambulatório do Hospital do Bem, com a oncologista, Dra. Nayhara Castro. A consulta foi de avaliação e orientação sobre a radioterapia que será feita em Campina Grande.
Sobre cirurgias

Existem dois tipos principais tipos de cirurgia para o câncer de mama: a Cirurgia Conservadora da Mama, também chamada de tumorectomia, quadrantectomia, mastectomia parcial ou mastectomia segmentar, que consiste na retirada do segmento ou setor da mama que contém o tumor. O objetivo é retirar o tumor, com algum tecido normal adjacente. O quanto da mama é removida depende do tamanho e localização do tumor e de outros fatores. Já na Mastectomia, toda a mama é retirada, incluindo o tecido mamário e às vezes outros tecidos próximos.

Paciente finaliza com sucesso tratamento quimioterápico no Hospital do Bem e recebe homenagem de funcionários

Posted on

O dia 28 de agosto vai ficar marcado na memória da Sra. Maria Eliane Leite Sampaio, 63 anos, como um novo recomeço. Isto porque, nesta data, ela concluiu com sucesso, a última sessão de quimioterapia e finalizou, no Hospital do Bem, em Patos, o tratamento contra um câncer de mama descoberto no ano passado. Paciente da unidade desde outubro de 2018, Dona Maria Eliane foi homenageada, nesta quarta-feira (28), por funcionários do Hospital do Bem pela assiduidade nas sessões, compromisso com sua saúde e vida e, sobretudo, pela força de vontade em vencer uma doença que carrega tanto estigma e, em muitos casos, não tem um final feliz.

Após terminar a última sessão de quimioterapia, de um tratamento que combinou quatro ciclos de terapia vermelhas e doze aplicações de quimioterapia branca, que começou no dia 11 de março deste ano, além de uma cirurgia, Dona Maria foi carinhosamente homenageada pelos funcionários do Hospital do Bem e pôde tocar um sino, estrategicamente colocado na recepção da unidade, que simboliza com seu som a vitória e a superação da vida sobre a morte. A médica oncologista, Nayarah Castro, que acompanhou a paciente, e a diretora geral do Complexo Hospitalar Regional Dep. Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC), Liliane Sena, do qual o Hospital do Bem faz parte, leram mensagens e a oração do Santo Peregrino de Folí, patrono dos doentes de câncer.

Após tocar o sino, Maria Eliane agradeceu, emocionada, a homenagem e todo o acolhimento que recebeu no Hospital do Bem. “Agradeço a toda a equipe deste hospital, desde a recepção, os enfermeiros, técnicos, médicos, vocês foram maravilhosos comigo, me atenderam muito bem, cuidaram de mim e eu só tenho gratidão por tudo, a Deus e a todos vocês”, disse ela.

Dra. Nayarah, leu uma mensagem que destacava a força e determinação da paciente, que realizou o último ciclo de quimioterapia nesta quarta-feira com a aplicação da série branca. Segundo a médica, a terapia da série vermelha era realizada a cada 21 dias e as brancas eram semanais. Antes de iniciar a quimioterapia, a paciente fez uma cirurgia, também no Hospital do Bem, no dia 14 de dezembro do ano passado, com o mastologista Tiago Pereira. Graças ao quadro inicial da doença, o procedimento não foi de retirada da mama, mas de quadrantes dela.

A médica que a acompanhou explica que ao verificar o exame anato patológico, foi identificado que havia indicação de começar quimioterapia adjuvante e ai foi prescrito o tratamento encerrado nesta quarta-feira (28). Ainda segundo a Dra. Nayarah, os atuais exames de estadiamento da paciente demonstram que a doença não se espalhou para nenhum lugar. “O indicativo agora é iniciar um tratamento radioterápico que não é realizado no Hospital do Bem, mas em João Pessoa ou Campina Grande apenas como complemento”, disse a médica.

Dra. Nayarah explica que Maria Eliane agora é definida como uma paciente curada, em função da doença está localizada nas mamas e os atuais exames mostrarem que não houve metástase. “Vale salientar que a cura definitiva dada para qualquer paciente oncológico de neoplasia de mama, só se dá dependendo do diagnostico que ele tem, de cinco a dez anos após o término do tratamento. Mas, podemos adiantar que o resultado de Dona Eliane é o melhor possível”, reitera a oncologista do Hospital do Bem, lembrando que o diagnóstico precoce, o tratamento adequado e rápido e, sobretudo, a assiduidade no tratamento e a resposta do paciente, são fundamentais para o sucesso do tratamento.

“A Sra. Eliane sempre realizou as sessões marcadas, nunca faltou, não houve falta de medicação durante o tratamento, não houve atrasos de nenhuma ordem, o organismo dela reagiu muito bem e teve uma resposta excelente. Hoje, ela realizou a última sessão e já nos trouxe o resultado da última tomografia e eu já consegui definir que essa paciente não tem sinais de doença ativa dentro do organismo dela e isso nos deixa muito felizes porque atesta a correição e o sucesso de nossa conduta aqui no Hospital do Bem”, destaca a médica.

Para a diretora do Complexo, Liliane Sena, na atual conjuntura, onde a principal referência em tratamento de câncer do Estado, o Hospital Napoleão Laureano, passa por sérias dificuldades para atender os pacientes, constatar que o Hospital do Bem vem cumprindo a sua missão, é um alivio para as pessoas acometidas pela doença. “Em quase um ano de atividades, já atendemos pacientes de mais de 50 municípios, absorvendo uma demanda de serviços oncológicos de média e alta complexidade, que antes era exclusiva de João Pessoa e Campina Grande, realizando procedimentos que estão em sintonia com o que há de mais atual na área oncológica, sem nenhuma interrupção de tratamentos e isso muito nos alegra, pois sabemos da importância de um tratamento oncológico rápido e eficaz”, afirma Liliane.

O Hospital do Bem foi inaugurado em setembro do ano passado, tem 25 leitos e uma sala de quimioterapia com capacidade para atender dez pacientes simultaneamente. A unidade atende casos de câncer de próstata, mama, colo de útero e pele, ofertando serviços ambulatoriais, quimioterapia e cirurgia, além de diversos exames de ultrassonografia com Doppler; tomografia; colposcopia, colonoscopia, endoscopia; eletrocardiograma; exames laboratoriais e Raio X. Prioritariamente, os serviços do Hospital do Bem são direcionados para a população dos 68 municípios que compõem a 3ª macrorregião de saúde do estado.

Médica do Hospital do Bem participa de curso de atualização em Oncologia Clínica no Albert Einstein

Posted on

Participar do Board Review in Medical Oncology, o maior curso de revisão em Oncologia Clínica no Brasil para médicos oncologistas e, também, de outras especialidades médicas e multidisciplinares, é uma experiência única que agrega valor ao profissional que amplia e atualiza conhecimentos, mas, sobretudo para os pacientes que passam a ter um profissional ainda mais capacitado e atualizado numa especialidade da ciência médica que está em constante evolução. A Dra. Nayarah Castro, oncologista do Hospital do Bem, que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos, está em São Paulo, participando da X edição do curso que começou dia 14 e termina no próximo sábado (17), no Hospital Israelita Albert Einstein.

“Participar deste curso, que é referência na área de Oncologia, é ter a oportunidade de aprimorar conhecimentos com o que há de mais atual sobre tratamento, de saber o que mudou de um ano para o outro, sobre incorporação de novas drogas, novos alvos terapêuticos, outras tecnologias, enfim, é agregar informações importantes que me ajudarão a atender, ainda melhor, meus pacientes em Patos”, destaca a médica.

Na edição 2019, em especial, segundo consta na programação do curso, cada palestrante irá reservar alguns minutos no término de cada aula para um momento de discussão com a plateia, que estará aberta para perguntas. “Isso também é importante porque teremos a possibilidade de debater o assunto, com o viés de nosso interesse, com os especialistas logo após a apresentação deles”, destaca a Dra. Nayarah, lembrando que nesta quinta-feira foi muito relevante as abordagens sobre os tumores de mama, de próstata e em relação a importância do acompanhamento multiprofissional do paciente oncológico.

Dra. Nayarah reitera que os tratamentos realizados no Hospital do Bem estão em conformidade com o que é feito nos grandes centros que tratam pacientes oncológicos. “Anteriormente a gente tinha os pacientes tratando tumores tipo negativo sem essa preocupação tão grande da adição de carboplatina e dentro da realidade do Hospital do Bem a gente já vinha fazendo isso. Então, estar aqui e poder conversar com outros profissionais e trocar experiências e fazer descobertas juntos é muito importante e principalmente constatar que lá, no sertão paraibano, o que fazemos está sendo feito também nos grandes centros”, afirma médica.

Para a diretora geral do Complexo, Liliane Sena, a participação da Dra. Nayarah no curso é de suma importância para o Hospital do Bem. “É preciso acompanhar os avanços técnico-científicos da área de oncologia que têm possibilitado o aumento das chances de cura da doença, em muitos casos, antes considerados fatais. Hoje, se sabe que o recebimento de um diagnóstico de câncer não significa um atestado de morte, ao contrário, o avanço da Medicina nesta área é grande e os tratamentos também, portanto, saber que nossa médica está adquirindo e atualizando conhecimentos muito nos alegra e vai agregar, ainda mais, para os nossos pacientes”, finaliza Liliane.

Profissionais, pacientes e acompanhantes do Hospital do Bem participam de café junino

Posted on

Essa quinta-feira (27), o início da jornada do Hospital do Bem, que integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC), aconteceu em clima de São João. Isto porque, foi servido um café da manhã junino para a equipe de profissionais da unidade e também para pacientes e acompanhantes. O café foi servido na recepção da unidade e marcou as comemorações juninas dos colaboradores do Hospital.

E quem pôde participar degustou iguarias do cardápio junino, a exemplo de pamonha e bolo de milho, além de outros lanches. A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, prestigiou o momento e destacou o objetivo da iniciativa. “Os festejos juninos fazem parte das melhores tradições do Nordeste e a cidade de Patos sempre foi referência no que diz respeito a valorização desta tradição cultural, ai achamos importante realizar esse momento onde pudemos comemorar a data, sem prejuízo algum de nossos serviços”, afirmou ela.

Colaboradores do Complexo Hospitalar de Patos participam de treinamento sobre higienização em unidades de saúde

Posted on

O ambiente hospitalar, pela própria natureza da atividade, requer uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de higienização e limpeza ocupam um lugar de grande importância. A limpeza além de imprescindível, atua psicologicamente sobre os visitantes, pacientes e funcionários chegando a ser fundamental nos conceitos sobre a instituição. E por valorizar também esse serviço, a direção do Complexo Hospitalar Regional Dep. Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) realizou, no último dia 11, uma capacitação sobre Higienização Hospitalar com colaboradores do Hospital Regional e do Hospital do Bem.

Na realidade, explica a diretora geral do Complexo, Liliane Sena, o treinamento foi um acréscimo de conhecimento que faz parte do programa de educação permanente do complexo hospitalar, ao qual o Hospital do Bem de Patos está vinculado. “A higiene e limpeza são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem estar, segurança e conforto, não apenas do paciente, mas de todos que transitam numa unidade de saúde. Além disso, o serviço de limpeza hospitalar tem particular importância no controle de infecções, por garantir a desinfecção de áreas hospitalares e essa reciclagem de conhecimento é importante para melhorarmos, ainda mais, neste aspecto”, destaca a diretora.

O treinamento, cujo foco foi ‘Higienização e desinfecção de áreas de alta complexidade’ foi feito pela médica e oncologista do Hospital do Bem, Dra. Nayarah Castro, com apoio dos integrantes da Coordenação de Higienização e Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Complexo. O público alvo foi os funcionários que atuam no serviço de higienização.

Hospital do Bem registra 1433 atendimentos, 332 internações e 290 sessões de quimioterapia entre janeiro e maio deste ano

Posted on

Idealizado para amenizar o sofrimento das pessoas que tinham que se deslocar de cidades do sertão paraibano para Campina Grande ou João Pessoa para ter acesso a um tratamento oncológico, o Hospital do Bem tem sido um ponto de referência e assistência para pacientes com câncer no interior do estado. Somente entre janeiro e maio deste ano, a unidade que integra o Complexo Hospitalar Regional Dep. Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC), registrou 1433 atendimentos, 332 internações e 290 sessões de quimioterapia. O Hospital do Bem integra a rede estadual de saúde e foi inaugurado em setembro do ano passado.

Dados do relatório de gestão dos primeiros cinco meses deste ano mostram que o Hospital registrou 127 internamentos na Clínica Médica, mais 179 na Clínica Cirúrgica e outros 26 nos Cuidados Paliativos, mais 1433 atendimentos nos setores de cirurgia oncológica (221), clínica oncológica (531), cirurgia plástica (29), urologia (139) e mastologia (252). A unidade que atende os casos de câncer mais incidentes na região que são os de próstata, mama, colo de útero e pele, com a oferta de serviços de diagnóstico, tratamento ambulatorial com consultas médicas, cirurgias oncológicas e quimioterapia realizou, neste período, 290 sessões de quimioterapia.

A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, destaca a importância do Hospital do Bem para os pacientes com câncer no sertão. “Temos uma ótima infraestrutura, uma equipe especializada em casos de oncologia, realizamos os atendimentos dentro dos protocolos igual a qualquer unidade referenciada para casos de oncologia, temos um serviço humanizado e tudo isso mais perto da casa dos pacientes o que propicia muitos ganhos em qualidade de atendimento, além da facilidade de acesso ao tratamento”, destaca a diretora, lembrando que os números do Hospital do Bem atestam a necessidade e importância deste serviço na região

Sobre o Hospital do Bem

O Hospital dispõe de 25 leitos de internação, uma ampla sala para quimioterapia com espaços para dez tratamentos simultâneos, além de enfermarias clínica, cirúrgica e de retaguarda, entre outros espaços. Os pacientes do Hospital têm à disposição um Centro de Imagem, localizada no prédio anexo do Hospital Regional, que realiza exames de ultrassonografia com Doppler; tomografia; endoscopia; eletrocardiograma; exames laboratoriais e Raio X. Os exames de ressonância magnética e cintilografia óssea são terceirizados, mas custeados pelo poder público, através do SUS.

Hospital do Bem descobre e está tratando tipo raro de câncer de mama que é o 9º caso identificado no mundo

Posted on

Um tipo raríssimo de câncer de mama foi, recentemente, identificado pela equipe de médicos oncologistas do Hospital do Bem, em Patos. Trata-se de um carcinoma metaplásico de células fusiformes, responsável por menos de 1% dos diagnósticos, sendo, este o 9° caso em todo o mundo. O fato chamou atenção de equipes de centros oncológicos de São Paulo que já solicitaram um acompanhamento da evolução da paciente, visto que não se tem pesquisas sobre esse tipo de câncer e nem protocolos estabelecidos para tratamento, sendo este realizado apenas com base em relatos de casos. Embora apresente o pior prognóstico dos canceres, a ocorrência que está sendo tratada na Paraíba não desanima os médicos já que a paciente não tem metástase, tem apenas 36 anos, não tem doenças pré-instaladas como diabetes ou hipertensão, e está sendo bem acompanhada, o que facilita o sucesso de seu tratamento.

A médica oncologista, Dra. Nayarah Potyara, que está à frente do caso no Hospital do Bem, explica que o carcinoma ductal invasivo é o tipo mais comum entre os cânceres de mama. Cerca de 80% dos diagnósticos de câncer de mama são carcinomas ductais invasivos, que se inicia em um duto de leite, rompe a parede desse duto e cresce no tecido adiposo da mama. No entanto, no final do mês de maio, surgiu um caso especial que acometia a mama direita de uma jovem, com 36 anos apenas, da cidade de Matureia, mas com forte histórico de câncer de mama da família.

A mãe, uma tia e uma prima da paciente, cujo nome não será revelado para preservar sua identidade, faleceram de câncer de mama, o que levou a jovem a procurar o serviço de saúde logo que detectou mudanças na mama. “É uma variante muito rara e ele apresenta uma variedade de padrões histológicos que dificulta o diagnóstico pela mamografia. Então, a paciente foi submetida à mastectomia e, com a peça, realizamos um exame muito específico para identificar o tipo de cancro. Só através dele que conseguimos diferenciar”, explicou a médica, frisando que esse tipo de câncer não se diferencia muito dos demais a não ser pelas suas manifestações clínicas. “Esse carcinoma apresenta forte metástase e é muito agressivo, mas estamos confiantes”, disse a médica.

Pela sua raridade, o tratamento ainda não está estabelecido, sendo a remoção do tumor associada à terapia adjuvante o melhor caminho. A paciente, inclusive, já iniciou seu tratamento no Hospital do Bem, na semana passada, e seu prognóstico, segundo a médica oncologista, Dra. Nayarah Potyara, ao contrário do que demonstra dos relatos de casos, é bastante positivo, tendo em vista que se trata de uma paciente jovem, sem metástase e sem doenças pré-instaladas como diabetes ou hipertensão. “Esse é um tipo de câncer que tem o pior prognóstico dentre todos, mas estamos confiantes no tratamento”, afirmou a medica.

A paciente está fazendo tratamento de Quimioterapia com quatro sessões de séries vermelhas, a cada 14 dias e 12 sessões de série branca, semanalmente. O tratamento é semelhante ao do carcinoma ductal invasivo. Ela está internada no Hospital do Bem há dois meses e, quando receber alta da quimioterapia, poderá fazer a reconstrução mamária. O caso será acompanhado também por médicos de São Paulo, haja vista a relevância da doença para a comunidade científica brasileira pela sua raridade e falta de pesquisas que norteiem o seu tratamento.

O exame que identifica o tipo de câncer que a doutora Nayarah se refere é o imuno-histoquímico (uma biópsia), realizado através do próprio Hospital do Bem e que é um método de análise dos tecidos via microscópio para identificar características moleculares das doenças. A análise tem diversas aplicações, como o diagnóstico de doenças inflamatórias, infecciosas e neoplasias, sendo determinante também no prognóstico do câncer, já que o exame pesquisa moléculas associadas a diferentes tipos de tumor.

O Hospital do Bem faz parte do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos e oferta serviços de diagnóstico, tratamento ambulatorial com consultas médicas, cirurgias oncológicas e quimioterapia para os casos de câncer mais incidentes na região que são os de próstata, mama, colo de útero e pele. O Hospital tem 25 leitos de internação, uma ampla sala para quimioterapia com espaços para dez tratamentos simultâneos, além de enfermarias clínica, cirúrgica e de retaguarda, entre outros espaços, além de diversos exames de ultrassonografia com Doppler; tomografia; endoscopia; eletrocardiograma; exames laboratoriais e Raio X. Há ainda os exames de ressonância magnética e cintilografia óssea, que são terceirizados, mas custeados pelo poder público, através do SUS.

Projeto que leva entretenimento a pacientes e colaboradores do Hospital do Bem ganha parceria do Guedes Shopping

Posted on

Uma sessão de cinema sem pipoca fica com um gostinho de que algo está faltando. Mas, os cinéfilos do projeto ‘Cinema do Bem’ não precisam se preocupar com isso, pois, uma parceria com o Guedes Shopping garantirá a pipoca em todas as sessões quinzenais de projeção. Idealizado para humanizar o tempo de hospitalização do paciente e reduzir o estresse no ambiente hospitalar, o projeto, iniciado em março, é direcionado aos pacientes e profissionais que atuam no Hospital do Bem, em Patos. Essa semana, a segunda sessão foi realizada. O filme Benji que conta a história de um cãozinho que tem fantástica habilidade para estar no lugar certo, na hora certa, normalmente para ajudar alguém a superar um problema, foi o escolhido. O Hospital do Bem integra o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro e atende casos de oncologia.

A sessão começou por volta das 18h, aconteceu na Enfermaria da Clínica Médica e teve como expectadores cinco pacientes, seus acompanhantes, além do pessoal da enfermagem e de outros setores do hospital.  Para a paciente Cândida Medeiros de Araújo, a iniciativa foi muito bem-vinda. “Foi um momento maravilhoso para todos os pacientes. Espero que se repita por mais vezes. Essa equipe daqui é sempre muito amorosa e prestativa, só uma equipe assim pensaria em algo como esse cinema no hospital”, disse ela.

A enfermeira Socorro Rodrigues, destaca a importância da ação. “A promoção da humanização no ambiente hospitalar, o estreitamento de laços entre paciente e equipe e a redução do sofrimento, através de um momento de alegria e relaxamento, são questões importantes e que estão sendo atingidas aqui, também, com esse projeto. Eu estou feliz em participar dessa ação que vai além de um momento de descontração que é uma forma terapeutica relevante, que contribui para o enfrentamento do sofrimento causado pela doença, aliviando a dor dos pacientes”, disse Socorro.

A coordenadora de Enfermagem do Hospital do Bem, Aretusa Delfino, e idealizadora do projeto, está entusiasmada com a receptividade da proposta que tem o objetivo de trabalhar as emoções, a ansiedade, a tristeza, a baixa autoestima e até a depressão, de maneira lúdica, através da projeção de filmes. “As pessoas esquecem, neste momento, que estão num ambiente hospitalar, relaxam, ficam mais tranquilas e isso contribui no processo curativo, porque alegria e prazer são sensações curativas”, destaca Aretusa.

A projeção dos filmes é feita na parede da enfermaria. O filme que estreou o projeto foi ‘Patch Adams’ que conta a história de um médico norte-americano famoso por sua metodologia inusitada no tratamento de enfermos. A terceira sessão de cinema está marcada para o dia 23. O filme a ser projetado ainda não foi definido, mas, o critério de escolha recai sobre temáticas de motivação e lições de superação. Além da pipoca, que é um alimento anticancerígeno, é distribuído sucos durante a sessão.

A diretora geral do Complexo, Liliane Sena, é uma das entusiastas do projeto. “Essa Ideia foi muito boa e já trouxe parceiros como o Cinema do Guedes Shopping. Quero parabenizar a todos os envolvidos, iniciativas como essa são muito importante e reforçam a humanização que tanto defendemos. Essa ideia é linda e faz todo o sentido, como forma de contribuir com a melhora do quadro dos pacientes, por isso tem nosso total apoio”, disse Liliane, lembrado que o projeto não é inédito, pois já foi realizado em outras instituições de saúde com resultados muito bons na melhoria do clima hospitalar.

Complexo Hospitalar de Patos integra Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho

Posted on

 

O Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro adere ao movimento “Abril Verde” e vai desenvolver ações de conscientização de colaboradores, nesta sexta-feira (12). As atividades acontecerão no Hall do Hospital do Bem, e serão conduzidas pelo setor de saúde e segurança do trabalho e RH da unidade hospitalar em parceria com o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST- regional Patos). A proposta é abordar questões de segurança e saúde do trabalhador, visando a redução de acidentes e doenças do trabalho.

Dentre as atividades programadas para o CHRDJC estão previstas a iluminação das fachadas de verde, distribuições de laços verdes e material educativo impresso com objetivo de sensibilizar o corpo funcional sobre a importância da proteção à saúde e a prevenção de acidentes no ambiente laboral, além de mini palestras nos setores da unidade.

De acordo com a Técnica de Segurança do Trabalho, Lusângela Azevedo, o foco das ações será o da proteção, com o incentivo para ao uso de equipamentos de proteção individuais (EPIs), bem como a prevenção de acidentes. “Temos que usar todos os mecanismos disponíveis para chamar atenção que somente com a prevenção reduziremos os acidentes e adoecimento no ambiente de trabalho, e também ir mais além, lembrando que o investimento em prevenção e precaução mudam a realidade para muito melhor”, afirma a Técnica.

 Segundo Lusângela, o Anuário Estatístico de Acidentes de Trabalho da Previdência Social, atesta que foram registrados 549.405 acidentes de trabalho no Brasil, somente em 2017.  “Se os empregadores não procurarem se antecipar aos fatos, acidentes continuarão acontecendo no país. É mais barato, inclusive, prevenir e evitar do que reparar os danos já causados”, finaliza a Técnica.

Paciente do Hospital do Bem recebe diagnóstico de cura e elogia tratamento e acolhida da unidade

Posted on

Foram quatro meses de sessões de quimioterapia, com aplicações durante cinco dias consecutivos e intervalos de 15 dias, ou seja, quatro ciclos de 20 sessões. Antes, uma cirurgia de histerectomia e, finalmente, a tão buscada cura, foi constatada após uma ressonância e, posteriormente, uma cintilografia. A professora aposentada Francisca Trigueiro de Almeida, 57 anos, que descobriu um tumor no ovário esquerdo, em agosto do ano passado, e teve sua primeira consulta no Hospital do Bem, no dia 03 de outubro, comemora agora a regressão total do tumor e a ausência de sintomas intercorrentes. “Da recepção até os médicos, só tenho gratidão e reconhecimento ao tratamento e a forma como fui acolhida no Hospital do Bem, que é um hospital de primeiro mundo”, disse Francisca.

Quando descobriu o tumor, o Hospital do Bem ainda não tinha sido inaugurado, por isso, Francisca iniciou o tratamento em João Pessoa, onde se submeteu a uma histerectomia estendida, no Hospital Napoleão Laureano. Com indicação de tratamento quimioterápico posterior à cirurgia, ela não titubeou ao optar por fazer a quimioterapia em Patos. “Quando vi a estrutura do Hospital, o carinho que fui recebida e depois da primeira consulta com a Dra. Nayhara Castro, oncologista do Hospital do Bem, não tive dúvidas de que faria meu tratamento lá e não me arrependi, ao contrário, estou grata por tudo”, disse  Francisca.

Contrariando até a orientação do médico que a atendeu em João Pessoa, que queria que ela fizesse o tratamento no Laureano, por desconhecer a equipe do Hospital do Bem e a estrutura, Dona Francisca em nenhum momento teve dúvidas. “Ao sair da primeira consulta, no dia 03 de outubro, eu tomei a melhor decisão, pois me senti muito segura com as orientações da médica, tanto que no dia 08 já comecei minhas sessões”, disse ela. As sessões no Hospital do Bem terminaram no dia 21 de dezembro, eram feitas de 2ª a 6ª feira e duravam, em média,  oito horas/dia.

Para Dona Francisca, além da oportunidade de poder fazer o tratamento na mesma cidade onde mora, dispor de um equipamento como o Hospital do Bem foi uma grande vantagem. “A estrutura é excelente, o tratamento é o mesmo porque eles seguem os protocolos que são adotados pelos hospitais que atuam na área de oncologia, mas, com um grande diferencial que são as pessoas, das recepcionistas até os médicos, todos me acolheram com um carinho e atenção que nunca esquecerei, pois o paciente de câncer já chega fragilizado ao hospital e receber esse acolhimento faz toda a diferença” disse Francisca, fazendo uma referência especial a equipe de Enfermagem do Hospital do Bem. “Eles não só são enfermeiros, eles são anjos e Marlira um ser humano e uma profissional exemplar”, reiterou a professora, que agora só vai precisar ir ao Hospital apenas para acompanhamento periódico, em consultas programadas, como é de praxe em pacientes de oncologia.

No último dia 25, a professora esteve no Hospital do Bem durante a visita do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. A professora fez questão de dar seu testemunho como paciente da unidade e vir agradecer ao ministro a habilitação da unidade que possibilitará o repasse mensal de recursos para manutenção e ampliação dos serviços do Hospital do Bem. “Esse hospital foi muito importante para mim, está sendo para muitas pessoas e fiz questão de reforçar isso para o ministro”, disse ela que, na ocasião, estava acompanhada da médica oncologista Dra. Nayhara Castro, responsável pelo seu tratamento. A habilitação garantirá que a unidade passe a receber do Governo Federal o valor de R$ 5 milhões e 740 mil, anualmente, para o custeio.

Liliane Sena, diretora do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos, do qual o Hospital do Bem faz parte, reforça que o tratamento oncológico realizado na unidade é o mesmo de outros hospitais de referência na área. “Nós usamos o mesmo protocolo de atendimento do Laureano, de hospitais de São Paulo, etc, ou seja, a medicação aplicada aqui é a mesma, o tratamento é prescrito individualmente, caso a caso, de forma que não deixamos a desejar em nenhum aspecto, com um diferencial de termos uma equipe treinada e focada no atendimento oncológico que requer dos profissionais uma acolhida diferenciada. Não e à toa que somos o Hospital do Bem”, destaca a diretora. O Hospital do Bem foi inaugurado no início de setembro do ano passado e nos primeiros seis meses de funcionamento já realizou 124 cirurgias, 1648 consultas ambulatoriais, 179 quimioterapias e 304 internações.