Hospital Regional de Patos

Complexo de Patos realizou mais de 8 mil exames de tomografia nos primeiros seis meses deste ano

Posted on

Entre janeiro e o último dia 21 de junho, o Centro de Imagens do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) realizou 8.165 tomografias. Em média, são realizados cerca de 1.300 tomografias/mês na unidade. Nos primeiros 21 dias de junho, 1.358 exames deste tipo já foram realizados. Como esse exame tem a finalidade de explorar através de imagens de alta resolução várias partes do corpo, a exemplo de ossos, cérebro, rins, fígado, pâncreas, pulmões, ovários, vias biliares e pleura, ele é um aliado importantíssimo no fechamento de diagnósticos e da conduta médica no paciente.

Desde a semana passada, no entanto, o Tomógrafo do Complexo está em manutenção para substituição de uma peça que vem de fora do estado da Paraíba. Mas, enquanto o equipamento do Centro de Imagem da unidade está sendo consertado, os pacientes de urgência, emergência, os que fazem tratamento oncológico e que estão internados no hospital estão fazendo suas tomografias numa clínica em Patos. A previsão de conclusão do conserto do equipamento, de acordo com a própria General Eletric, a empresa do tomógrafo, é de 25 dias.

“A quebra e conserto do equipamento, mesmo que por poucos dias, exigiu de nós uma dinâmica e logística diferenciada. Como a peça não tem no mercado local e precisa vir de fora, o que demanda certo tempo, para não prejudicar nossos pacientes fizemos um contrato temporário e emergencial de terceirização deste serviço com a Clínica Integrada SOS de Patos”, afirma o diretor geral do Complexo, Francisco Guedes.

Neste período, o procedimento interno para realização dos exames não mudou, já que o Núcleo de Regulação Interna (NIR) continua com a prerrogativa de fazer a marcação dos exames, coordenando os trabalhos da Clinimagem, a empresa responsável pelo Centro de Imagens do Complexo. “O que muda é o local da realização dos exames que ao invés de serem feitos na nossa unidade estão sendo na Clínica. O processo interno de solicitação e autorização continua sem alteração”, reitera Francisco. Ele reforça que apenas os exames eletivos e que não são urgentes estão sendo reagendados para quando o tomógrafo da unidade voltar a funcionar.

O Hospital realiza uma média de 1.300 exames de tomografia a cada mês O tomográfo do Hospital de Patos tem 16 Os exames de tomografia são importantes no fechamento do diagnóstico

Hospital Regional e Secretaria de Saúde de Patos firmam parceria para acompanhar pacientes de Covid pós-alta

Posted on

OComplexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro (CHRDJC), de Patos, vai ampliar o atendimento que vem sendo dado, desde agosto do ano passado, aos pacientes que receberam alta hospitalar após internação por Covid-19 e que adquiriram alguma sequela por causa da doença. A ampliação deste acompanhamento pós-alta foi garantida por meio de parceria firmada em reunião entre representantes do hospital e do Núcleo de Assistência aos Pacientes Pós-Covid, pertencente à Secretaria Municipal de Saúde de Patos.

A reunião contou com as presenças da chefe do Núcleo de Enfermagem do Complexo, Séfora Cândida Vasconcelos, e do fisioterapeuta Thaynan de Sousa Morais e da psicóloga Ingrid Gisely Alves de Oliveira, que integram o Núcleo de Patos. A parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde de Patos com o Complexo Regional abrangerá toda a população.

“O Hospital vai nos comunicar sobre as altas do setor Covid e nossa equipe fará uma busca ativa do paciente em todo o âmbito do município para que ele, em caso de necessidade, tenha uma reabilitação de maneira mais adequada”, explica o fisioterapeuta Thaynan de Sousa.

“Antes desta parceria, a unidade identificava a necessidade de o paciente continuar com sessões de fisioterapia, por exemplo, mas não havia um espaço referenciado para tal na cidade ou quando existia um serviço referenciado este não existia, especificamente, para atendimento de pacientes que tiveram Covid. Agora, com esse Núcleo, o paciente não terá apenas a identificação do acompanhamento que ele precisa, mas o cuidado adequado. Estamos muito felizes com essa parceria porque identificamos que a maioria dos pacientes que passam pelo ambulatório de egressos Covid do hospital precisam, principalmente, de fisioterapia e de serviços de psicologia. No caso de Patos, agora nós teremos esse serviço referenciado”, afirma Séfora Vasconcelos.

O ambulatório de egressos de Covid do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro funciona uma vez por semana, com consultas pré-agendadas e é coordenado pelo médico Diego Varela, que é o responsável pelos atendimentos clínicos. Quando o paciente tem alta, é feito um cadastro no qual consta o histórico clínico dele e telefones para que, posteriormente, seja feito um contato, a fim de marcar uma consulta no ambulatório. Essa marcação, explica Séfora, pode ser feita tanto por uma equipe de teleconsulta, que funciona na sede da SES, em João Pessoa, ou diretamente, pela unidade onde o paciente esteve internado.

“Algumas vezes há dificuldade em localizar o paciente por causa dos telefones de contato que não atendem ou estão errados”, explica Séfora, lembrando que as consultas acontecem, geralmente, entre 15 e 30 dias após a alta. Na consulta médica, o paciente é avaliado e se o médico identificar que há necessidade de realização de novos exames, eles são realizados no Centro de Imagem da unidade e se houver necessidade de continuar a realizar outros procedimentos, ele é orientado a procurar atendimento posterior.

“Muitos pacientes, após o período inflamatório e mesmo após a pronta recuperação parcial ou total da sintomatologia do Covid e da alta, necessitam de um acompanhamento ambulatorial que lhes dê a assistência e restauração completa da saúde, não só com o acompanhamento médico, mas também fisioterápico entre outros e esse trabalho do ambulatório de egressos, além de reduzir a ocupação de leitos por uma eventual reincidência dos problemas, consegue uma diminuição considerável de mortalidade destes pacientes pós-alta”, afirma Dr. Diego.

O médico Pedro Augusto, que atua na linha de frente do setor Covid do Complexo, complementa que esse acompanhamento pós-alta é muito importante. “Uma das coisas que a gente tem que prestar bastante atenção são os efeitos futuros do Covid, pois nos deparamos, muitas vezes, com pacientes com déficit neurológicos, cognitivos, fraqueza muscular, dores articulares e são pessoas que não tinham isso antes da doença. E o pior de todos é o quadro respiratório crônico, essa fibrose pulmonar que o paciente pode virar um paciente dependente de oxigênio”, esclarece o médico.

Reforma do bloco cirúrgico do Complexo de Patos já está em andamento e previsão de conclusão da obra é final de outubro

Posted on

A reforma do bloco cirúrgico do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) já está em ritmo acelerado. Com um investimento de R$ 260 mil, o novo espaço contará com três amplas e modernas salas cirúrgicas construídas conforme determinação da norma reguladora RDC 50, ganhará mais um repouso pós-anestésico, um posto de enfermagem e um estar médico. Além das novas salas e espaços, a reforma vai permitir ampliar a quantidade de leitos pós-anestésico, de dois para três unidades. Desde que começou a obra, as cirurgias da unidade foram transferidas para a sede da Ginecam, sem nenhum prejuízo aos pacientes.

“Lógico que a logística das cirurgias mudou um pouco, requerendo de nós uma série de ações complementares, incluindo o transporte deste paciente, mas, sem nenhum prejuízo para eles, pois pensamos nos mínimos detalhes antes de começar a obra e tivemos o cuidado de só iniciá-la após estarmos com toda a estrutura pronta para receber nossos pacientes na Ginecam”, afirma a diretora técnica do Complexo, Dra. Jaquelline Andrade.

A coordenadora de Regulação em Saúde do Complexo, Lidiane Nascimento explica como se dá esse fluxo. “Os pacientes que chegam à nossa porta de entrada são acolhidos e passam por uma avaliação dos nossos plantonistas. A partir desta avaliação e da necessidade de exames complementares, nós teremos uma equipe de transporte 24h, com médicos e enfermeiras, que estarão transferindo esse paciente para a Ginecam se ele necessitar de algum procedimento cirúrgico”, destaca Lidiane. Ela lembra que, paralelamente, a essa conduta uma equipe da unidade já avisa a equipe da Ginecam que esse paciente está sendo transferido. “Ao chegar à Ginecam a sala e equipe já está pronta para realizar o procedimento”, enfatiza Lidiane. As equipes médicas e de enfermagem e suporte ficam de plantão tanto na sede da Ginecam, quanto na unidade.

Ainda segundo Lidiane, após a realização do procedimento, o paciente fica em observação numa sala de estabilização e, somente após o período de observação necessário a cada caso e com absoluta segurança, o paciente é removido para o seu leito no Complexo. Lidiane destaca que além das ambulâncias para o transporte dos pacientes 24h, todos os dias da semana, o Complexo ainda dispõem de dois veículos que estão exclusivos, um para o transporte de material sujo e o outro para o transporte de material limpo. Além disso, todos os dias, uma equipe da Farmácia do Complexo visita a Ginecam para repor os insumos e medicamentos necessários aos procedimentos. A coordenadora do bloco cirúrgico dá expediente na sede da Ginecam para dar todo o suporte necessário aos procedimentos enquanto durar o processo de reforma do bloco cirúrgico do hospital.

“A reforma era necessária e urgente e pensamos muito em como proceder sem que houvesse interrupção de nossos serviços, garantindo a segurança de procedimentos e a melhor forma que encontramos foi esse convênio com a Ginecam. Daí montamos toda uma logística que está nos permitindo manter o mesmo ritmo de trabalho, atendendo a nossa demanda e assegurando a segurança dos procedimentos e, consequentemente, preservando os nossos pacientes que é o mais importante”, finaliza o diretor geral do Complexo, Francisco Guedes.

Hospital de Patos registra aumento de 12% nos atendimentos de urgência e emergência e 35% nos acidentes de trânsito

Posted on

A Emergência e Urgência do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro (CHRDJC), de Patos, teve um final de semana bem movimentado com um aumento de 12% nos atendimentos em relação ao mesmo período da semana passada. De sexta-feira à noite (16), a partir das 18h, até a meia-noite deste domingo (18), a unidade atendeu 175 pessoas e realizou 11 cirurgias. Houve também um aumento de 35% nos casos de atendimento às vítimas de acidentes em relação ao final de semana anterior, com 31 pessoas socorridas, sendo 24 homens e sete mulheres.

Coincidentemente, os plantões do sábado e do domingo, registraram o mesmo número de atendimentos na urgência e emergência, com 78 pessoas em cada um deles. Entre as 18h e a meia-noite da sexta-feira, mais 19 pessoas deram entrada no Complexo, totalizando 175 pacientes do final de semana.

Das 31 pessoas atendidas por causa de acidentes de trânsito, a maior parte estava em motocicletas, com 25 ocorrências, quatro de automóvel e houve ainda o registro de dois atropelamentos. Das 31 vítimas de acidentes, cinco precisaram ficar internadas no hospital para cuidados posteriores. As demais tiveram alta após o atendimento médico.

Além dos casos envolvendo os acidentados com motos, os demais motivos dos atendimentos da unidade neste final de semana foram de pacientes com queda da própria altura (25), dor abdominal (16), dor renal (9), entorse ou torção (7), acidente com animal peçonhento ou raivoso (7), hemorragia (4), dor no peito (4), entre outros motivos. Das 11 cirurgias realizadas neste final de semana, a maior parte foi de procedimentos oncológicos, com sete cirurgias, seguido de ortopedia, com dois casos e mais dois casos de cirurgia geral.

O boletim de atendimento de pacientes vítimas de acidentes de trânsito mostra que, além de acidentados da cidade de Patos, que teve 17 ocorrências, a unidade ainda recebeu pacientes das cidades de Condado, Teixeira, Conceição, São Bento, Piancó, São José de Caiana, Catolé do Rocha, Aguiar, Desterro, Imaculada e Olho D’água.

O diretor geral do Complexo, Francisco Guedes, destaca que os aumentos dos atendimentos que têm sido notados nos últimos finais de semana refletem a volta da circulação de mais pessoas, mas alerta a população para continuar evitando saídas desnecessárias. “O aumento da circulação de pessoas nas cidades é sentido diretamente na nossa porta de entrada, principalmente na urgência e emergência e nos acidentes de trânsito, mas é preciso que a população se conscientize de que é importante circular o mínimo possível, em função da pandemia ainda existir, além de continuar mantendo os cuidados de proteção preventivos, como o uso de máscaras e a higienização frequente das mãos, além do distanciamento seguro”, reforçou Francisco.

Visita técnica inicia ações do projeto de Reestruturação de Hospitais Públicos no Complexo Regional de Patos

Posted on

Primeiro veio à inscrição para o processo seletivo do projeto, depois uma entrevista com toda a equipe e, em seguida, o tão esperado resultado de aprovação e inclusão no Projeto pioneiro de Reestruturação de Hospitais Públicos no Estado da Paraíba. E nesta terça-feira (13), o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) iniciou, efetivamente, as ações do projeto ‘Reestruturação de Hospitais Públicos (RHP)’, desenvolvido, desde 2009, pelo Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), por meio do PROADI-SUS. Ontem, representantes do HAOC e do Ministério da Saúde estiveram na unidade realizando a primeira visita técnica. O projeto vai contribuir com a gestão hospitalar, através de uma melhor sistematização de processos assistenciais, administrativos e gerenciais, que promoverão a redução de riscos aos pacientes, familiares e colaboradores seguindo os princípios do Programa Nacional de Segurança do Paciente, do Ministério da Saúde.

Segundo a diretora clínica do Complexo, Dra. Jaquelline Andrade, o projeto vai possibilitar o aperfeiçoamento de práticas que melhorarão, ainda mais, a assistência prestada pela unidade, inclusive e principalmente, no setor Covid. “Com o projeto esperamos aperfeiçoar nossos processos internos, impactando positivamente na redução do tempo de internação, no aperfeiçoamento do giro de leitos, numa melhor disseminação da cultura de qualidade no atendimento e segurança do paciente e ainda reforçar a otimização de custos da unidade que já tem uma gestão consciente e eficaz de recursos”, destaca a diretora.

O diretor geral da unidade, Francisco Guedes, reforça a importância do projeto para o Hospital de Patos. “As ações que nos dão suporte para melhorar nossa prestação de serviços, como esse projeto, sempre encontrarão espaço para serem implantadas e executadas e, neste caso específico, estamos muito contentes e ainda mais receptivos, pois ele trará para a nossa unidade um conjunto de ações que fortalecerão, ainda mais, o processo de melhoria contínuo que já está em andamento desde o ano passado”, reforça o diretor geral, agradecendo a Tarcianna Suassuna, do Ministério da Saúde, que foi quem inscreveu o CHRDJC no Projeto.

As ações realizadas nesta terça-feira marcam o começo efetivo do projeto, que consiste na aplicação da Ferramenta de Avaliação Hospitalar (FAHosp) que vai servir para fazer o diagnóstico da situação atual da unidade. A partir daí, explica a coordenadora do Projeto pelo HAOC, Carolinne Abrahão, serão feitos o planejamento de melhorias, seguido da implantação de processos que serão monitorados ao longo dos próximos 18 meses, através de visitas presenciais e atividades remotas periódicas. A unidade já formou uma equipe interna multiprofissional que terá a responsabilidade e compromisso de ser multiplicadora de conhecimentos com os demais colaboradores em seus mais variados setores de atuação.

A equipe que representou o Hospital Alemão Oswaldo Cruz na visita técnica ao Complexo de Patos foi composta pela médica, Ana Lúcia Acquesta, pelo enfermeiro, Leonardo Tome da Silva, pela farmacêutica, Tatiana da Silva Francelino e ainda pela Coordenadora do Projeto RHP, Carolinne Abrahão. Já a Força Nacional do SUS foi representada pela enfermeira Tarcianna Suassuna.

Sobre o Projeto

O Projeto de Reestruturação de Hospitais Públicos (RHP) é uma ação de intervenção e de instrumentalização em gestão em saúde que desenvolve ações para fortalecer e fomentar melhorias nos processos assistenciais, administrativos e gerenciais dos hospitais do SUS, com enfoque na avaliação e no monitoramento contínuo de processos, na redução de custos e no gerenciamento consciente de recursos humanos e materiais, consequentemente contribui para a padronização de rotina e a redução de riscos aos pacientes, aos familiares e trabalhadores da saúde. O projeto já contempla outros 56 hospitais públicos no país, localizados nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, áreas onde o número de casos de Covid cresceu muito nos últimos meses. Na Paraíba, além do Complexo Hospitalar de Patos, outras unidades vão desenvolver o Projeto, a exemplo do Hospital de Trauma de Campina Grande e o Hospital Militar Edson Ramalho, em João Pessoa.

Censo do setor de isolamento Covid do Complexo de Patos atesta que pacientes adultos jovens superam idosos nas internações

Posted on

Dados do Portal da Transparência do Registro Civil mostram que no primeiro ano da pandemia de Covid-19 no Brasil de 70% a 80% dos óbitos estavam concentrados entre pessoas com mais de 60 anos. Este ano, no segundo ano da pandemia, os números começaram a mudar e as mortes de pessoas mais novas, até 59 anos, já passam da metade dos óbitos registrados no país.https://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.png?id=1413016&o=nodehttps://agenciabrasil.ebc.com.br/ebc.gif?id=1413016&o=node Não apenas essa tendência de redução da idade das pessoas que não resistiram à doença, como também da faixa etária de quem precisa de internação para tratar de complicações da Covid é influenciada, principalmente, pelo avanço da vacinação no país, que iniciou no fim de janeiro pelas pessoas mais velhas. Os dados do censo do setor de isolamento Covid do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) atestam que cada vez mais pessoas na faixa etária de adultos jovens, entre 30 e 40 anos e até 50 anos estão superando o número de internações de pacientes de idade mais avançada.

Nesta segunda-feira (12), por exemplo, dos 30 pacientes internados no setor Covid da unidade, a grande maioria deles, o equivalente a 73% do total, são de pessoas na faixa etária entre 30 e 50 anos, sendo sete pacientes na faixa dos 30 anos, nove na faixa dos 40 anos e seis pacientes na faixa etária dos 50 anos. Na faixa etária de 60 anos há três pacientes, na de 80 anos mais três e apenas um paciente está na faixa de 80 anos. Há ainda um paciente faixa etária de 20 anos. E esses dados refletem uma realidade observada nos últimos meses.

O coordenador do setor Covid do Complexo, Dr. Pedro Augusto reforça essa constatação. “Os casos graves da doença, já há algum tempo, não estão mais concentrados na faixa etária de idades mais avançadas, pois estamos nos deparando cotidianamente e tratando casos graves de Covid em adultos jovens, na faixa etária dos 25 aos 55 anos de idade”, destaca o médico, lembrando que isso se deve, principalmente, ao avanço da vacinação nos idosos, que já imunizou a população acima de 70 anos com uma cobertura de segunda dose bastante expressiva e que acima de 80 anos já se tem 80% da população com a segunda dose e passados mais de 20 dias da imunização.

O médico alerta que independentemente da idade, ao notar os sinais suspeitos de Covid ou agravamento da doença, a recomendação é procurar atendimento imediato. “O principal sintoma é o desconforto respiratório, que pode incluir sensação de cansaço, falta de ar, aumento de inspirações por minuto e mal-estar intenso. A piora tende a acontecer entre o sétimo e o décimo, portanto, ao perceber alguns destes sinais, é prudente procurar o serviço de saúde para verificar o que deve ser feito”, reforça Dr. Pedro, lembrando que tratamentos caseiros e paliativos só agravam o quadro do paciente que, em alguns casos, chegam aos hospitais com um quadro tão grave que fica difícil ter resposta satisfatória ao tratamento.

Fonte: Com informações da Agência Brasil

Hospital de Patos atendeu 187 pessoas na Urgência e Emergência neste final de semana

Posted on

AEmergência e Urgência do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro (CHRDJC), em Patos, teve um final de semana bem movimentado com o atendimento de 187 pessoas, entre as quais 23 por causa de acidentes de trânsito e todas elas vítimas de acidentes com motocicleta. Entre as 18h da última sexta-feira (9) até a meia noite deste domingo (11), a unidade realizou seis cirurgias, sendo três vasculares, uma de ortopedia, outra oncológica e uma cirurgia geral.

O plantão de maior movimento foi o de domingo (11), quando 82 pessoas deram entrada no Complexo, seguido do plantão de sábado (10) quando foram atendidas mais 78 pessoas. E das 18h até a meia noite da sexta-feira (9), mais 27 pessoas passaram pela Urgência e Emergência da unidade. Quatro pessoas vítimas de acidentes precisaram permanecer internadas após os primeiros atendimentos.

Além dos casos envolvendo os acidentados com motos, os demais motivos dos atendimentos da unidade neste final de semana foram de pacientes com queda da própria altura (14), sintomas de síndrome gripal (10), dor no peito (8), dor abdominal (7), rebaixamento da consciência/desmaio (7), agressão física (5), entorse ou torção (5), crise nervosa (4), agressão animal (4), dor renal (3), dor de cabeça (3), entre outros motivos.

O boletim de atendimento de pacientes vítimas de acidentes de trânsito mostra que, além de acidentados da cidade de Patos, que teve 10 ocorrências, a unidade ainda recebeu pacientes das cidades de Condado, Cacimba de Areia, Teixeira, Coremas, Quixaba, Boa Ventura, Passagem, Manaíra e Matureia e até um paciente da cidade de São Francisco do Oeste (RN).

Paciente que se recupera da covid-19 se emociona com banho de sol no Hospital Regional de Patos

Posted on

Os serviços prestados pelo Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro (CHRDJC), de Patos, vão muito além dos medicamentos ministrados, dos insumos e equipamentos disponibilizados, da infraestrutura do hospital, e da técnica e profissionalismo de todos os funcionários. O acolhimento humanizado vem ajudando muito na recuperação de pacientes do setor Covid, onde ficam isolados e distantes de seus familiares. Neste domingo (04), uma ação evidenciou essa conduta, quando integrantes da equipe multiprofissional do isolamento levou o paciente Kairone Petrovino de Sousa Freitas, 36 anos, para ver o sol no jardim interno do setor. Essa foi a primeira vez que ele saiu do leito desde que foi internado, no dia 14 de maio passado.

O momento emocionou a todos porque, além de possibilitar que ele visse o sol pela primeira vez desde sua internação, Kairone pediu a equipe que cantasse a música “Eu Navegarei”, que para ele é muito familiar e acolhedora. Essa canção era cantada por sua mãe, Euci Hercília de Souza, que também foi internada na mesma época de Kairone no setor Covid do Complexo, mas, infelizmente, não resistiu e veio a óbito no dia 25 de maio. Ele ainda não sabe do falecimento da mãe.

Paciente da UTI Covid, onde permanece há 51 dias, Kairone precisou ser intubado e foi traqueostomizado há 34 dias. Ele desenvolveu a forma grave da doença, mas se recupera a cada dia. “Ele ainda está traqueostomizado e fazendo uso de suporte de oxigênio, mas melhora a cada dia, o que para todos nós significa uma vitória, dada a gravidade do quadro que ele apresentava e pela sua recuperação”, afirma a diretora clínica do Complexo, Dra. Jaquelline Andrade, lembrando que Kairone é uma pessoa com doença mental e que também, por isso, exigiu da equipe uma atenção diferenciada.

A cena de Kairone com a equipe no jardim do Complexo foi registrada em vídeo e emociona a quem vê. Ainda na cadeira de rodas e visivelmente debilitado, Kairone cantou a música junto com a equipe em homenagem à mãe. E num gesto de pura delicadeza, após a gravação do vídeo, ele pegou uma flor e ofereceu à equipe que tão bem continua cuidando dele.

Hospital de Patos registra alta de 11% nos atendimentos às vítimas de acidentados no trânsito

Posted on

O plantão deste final de semana (02 a 04) na Emergência e Urgência do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro (CHRDJC), de Patos, registrou o atendimento de 138 pessoas. Comparando os dados com os do final de semana anterior, a unidade registrou um aumento de 11% nos atendimentos por acidentes de trânsito e uma queda de 9% nos atendimentos a outras ocorrências.

Entre as 18h da sexta-feira (02) até a meia noite deste domingo (04), a unidade realizou 18 procedimentos cirúrgicos, sendo a maior parte deles de cirurgias ortopédicas em função dos acidentes. O plantão de maior movimento foi o de domingo, quando 63 pessoas deram entrada na unidade, seguido do sábado, com 52 pacientes; e das 18h à meia noite da sexta-feira, mais 23 pessoas foram atendidas.

Das 20 vítimas de acidentes de trânsito, a maioria foi de acidentados com motocicleta, num total de 15 ocorrências, seguida de bicicleta, com dois casos. Mas ainda houve o registro de um acidentado com automóvel, um acidente com veículo de tração animal e ainda um atropelamento. A maior parte das vítimas era de Patos, num total de nove pacientes, mas o hospital atendeu pessoas de Piancó, Princesa Isabel, São José do Sabugi, Conceição, Triunfo, Riacho dos Cavalos, São José de Espinharas, São Bento e Passagem. Dos 20 acidentados, oito precisaram ficar internados para cuidados posteriores.

Na emergência, além dos casos envolvendo os acidentados, os demais motivos dos atendimentos da unidade neste período foram de pacientes com dor abdominal, queda da própria altura, sintomas de síndrome gripal, contusão diversa, entorse ou torção, dificuldade de respirar, acidente com animal peçonhento ou raivoso, queda de nível, hipertensão, hemorragia, crise nervosa, náusea e vômito, problema pulmonar, entre outros motivos.

Hospital Regional de Patos realiza mutirão de cirurgias ortopédicas

Posted on

Com a flexibilização de medidas restritivas e retomada gradual do ritmo e dia a dia das pessoas, mesmo ainda vivendo tempos de pandemia do Covid, é normal que haja uma maior circulação nas cidades e estradas o que, fatalmente, aumenta o número de acidentes e de pessoas que precisam de procedimentos cirúrgicos, principalmente, na área de Ortopedia. E o reflexo disso tudo já é sentido na movimentação da Urgência e Emergência do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) que iniciou o mês de julho com um total de 26 pacientes necessitando de cirurgias ortopédicas. E para agilizar o atendimento desta demanda, a unidade resolveu realizar um mutirão de cirurgias ampliando a realização destes procedimentos essa semana.

O mutirão começou na última terça-feira (29), quando foram realizados sete procedimentos de fraturas e no dia seguinte, foram atendidos mais oito pacientes que necessitavam de cirurgias também decorrentes de fraturas em membros inferiores e superiores e vai seguir neste ritmo até todos os pacientes serem operados.

O coordenador da Ortopedia do Complexo, Dr. João Suassuna, explica que a rotina da unidade previa a realização de quatro cirurgias por turno, mas, que devido à suspensão do isolamento social e o aumento da demanda houve a necessidade de ampliar esse serviço de forma emergencial. “Enquanto estávamos em isolamento social dava para atender a demanda nestas condições operando em um turno, mas com a retomada do ritmo das cidades, aumentou os acidentes de trânsito e, consequentemente, a nossa demanda no setor ortopédico o que nos levou a realizar esse mutirão”, afirma o médico.

O diretor geral do Complexo, Francisco Guedes, lembra que a iniciativa do mutirão foi a melhor forma de resolver essa questão garantindo mais agilidade no atendimento dos pacientes. “O mutirão foi uma ação emergencial. Estamos em plena realização das obras em nosso bloco cirúrgico, o que nos obrigou a deslocar nossos procedimentos para a sede da clínica Ginecam enquanto durarem as obras, mas estamos atentos a essa questão do aumento do número de acidentados e da demanda de procedimentos ortopédicos. O importante é que estamos resolvemos o gargalo que se formou com a realização do mutirão”, explicou Francisco.