Asplan

Obras de pavimentação da PB 016 devem ser iniciadas em março do próximo ano

Posted on

Os transtornos causados aos produtores que precisam escoar a produção de cana-de-açúcar, inhame, abacaxi e outras culturas, além das pessoas que usam a PB 016, em Santa Rita e que convivem com os buracos e más condições da via que tem lama, no inverno, e poeira no verão, estão com os dias contados. Isto porque, as obras de pavimentação da via devem começar em março de 2018. Essa data foi estipulada pelo secretário de Estado dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia da Paraíba, João Azêvedo.

 Nesta terça-feira (17), o diretor de Planejamento do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), José Arnaldo, junto com os produtores Raimundo Nonato, Neto Siqueira, Ana Cláudia Tavares e Marcos Américo, representantes da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) fez uma vistoria na PB 016, entre a BR 101, na altura da Pousada do Conde até Odilandia, no trecho que compreende os cerca de 16 km que serão pavimentados. Eles foram checar o mapeamento da área que está sendo objeto de elaboração do projeto que vai viabilizar a obra.

Além da pavimentação deste trecho da PB 016, o DER vai realizar os serviços de terraplanagem das estradas vicinais de Santa Rita, situadas no entorno da Bacia do Gramame, por onde escoa boa parte da produção agrícola do município. Além, disso, já está em estudo o projeto de construção de quatro pontes na PB 016, que liga a BR 101 até o distrito de Odilândia, passando por Cicerolândia.

O presidente da Asplan, José Inácio de Morais, destaca a importância dessas ações. “A melhoria da infraestrutura das estradas de Santa Rita é de fundamental importância, já que as vias são utilizadas para o escoamento da produção agrícola, no deslocamento dos habitantes das localidades e dos trabalhadores que lá atuam, no transporte de água mineral, já que a região tem grandes fontes, além da areia que é utilizada pela construção civil e indústrias cerâmicas. De forma que, qualquer intervenção neste sentido vai beneficiar não apenas os produtores, mas todas as pessoas que utilizam as vias”, reitera José Inácio. Ele lembra que o município de Santa Rita concentra a maior parte da produção de cana-de-açúcar da Paraíba, além de produzir inhame, abacaxi, macaxeira, milho e batata.

Atualmente, as estradas vicinais de Santa Rita estão em péssimas condições de tráfego, com muitos buracos e pontes precárias, que vêm sendo recuperadas, de forma amadora e voluntária, pela comunidade local.

Asplan realiza assembleia para referendar volta de José Inácio à presidência da entidade

Posted on

A Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) realiza, nesta terça-feira (10), às 9h, em sua sede, em João Pessoa, uma Assembleia Geral Ordinária para referendar o nome de José Inácio de Morais para assumir a presidência da entidade. A eleição da nova Diretoria Executiva, além dos Conselhos Fiscal  e de Representante. que vão comandar os destinos da Asplan, no triênio 2017/2020. A assembleia ocorre com chapa única porque a indicação do nome de José Inácio para presidir a Casa foi unanimidade entre os associados.

O atual presidente, Murilo Paraíso, que continua na diretoria da Asplan, destaca a união da classe produtiva e o equilíbrio da entidade como fatores que diferenciam a Asplan de outras entidades representativas. “Desde a fundação da Asplan, há 60 anos, que as sucessivas diretorias têm como foco a melhoria dos serviços prestados ao produtor de cana da Paraíba e isso tem sido o alicerce maior de nossa classe, por isso, mesmo enfrentando diversas crises econômicas, a nossa entidade tem se mantido fortalecida e unida”, destaca Murilo.

José Inácio já comandou a Asplan por cinco anos, pois entrou na diretoria como vice-presidente em 1999, passando ao principal cargo em 2000, quando o presidente foi afastado por questão de saúde. Na eleição de 2002 ele encabeçou a chapa vencedora e permaneceu como presidente até 2005, sendo sucedido por Raimundo Nonato.

 

Atual e futuro presidente da Asplan se reúnem para comemorar harmonia e tranquilidade nas sucessões de gestões da entidade

Posted on

 

O cultivo da cana-de-açúcar no Estado se mantém como a principal atividade na agricultura paraibana, já que é a que mais emprega no campo e tem produção em larga escala, algo em torno de 6 milhões de toneladas/safra. Dentro deste contexto, tem similar importância a entidade que representa os cerca de 1.500 produtores canavieiros locais que é a Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) que, desde sua fundação, há 60 anos, tem enfrentado sucessivas crises de mercado, sempre saindo fortalecida, graças a união de seus associados. Nesta sexta-feira (06), no hall do salão de festas da entidade, a atual diretoria, presidida pelo produtor Murilo Paraíso, se reuniu com os dirigentes da futura gestão, que terá como presidente o produtor, José Inácio Morais, para celebrar a harmonia e tranquilidade na sucessão de mandatos da entidade. A eleição por aclamação da nova gestão acontece no próximo dia 10, às 10h, na sede da Asplan, em João Pessoa. A posse será dia 17.

Em meio a um almoço, que contou com a presença de associados, dos integrantes da atual e nova gestão da Asplan, de funcionários e convidados, o presidente Murilo Paraíso agradeceu o apoio de sua equipe, falou da sua satisfação de ter dado uma contribuição importante na reestruturação da sede da Asplan e de ter conduzido a entidade nos últimos seis anos. “Me despeço da presidência, não da diretoria, já que continuarei a contribuir com a nova gestão, com a consciência de que fiz o que pude para engrandecer, ainda mais, a nossa entidade”, disse Murilo. Na ocasião, Murilo agradeceu a disponibilidade do ex-prefeito de João Pessoa e ex-senador, Cícero Lucena, que foi prestigiar a reunião, no acolhimento dos pleitos da Asplan. “Quero dar esse testemunho, já que Cícero sempre teve um olhar especial com o nosso setor”, disse Murilo. O atual presidente também fez uma homenagem ao advogado Ricardo Afonso, que há 30 anos atua na assessoria jurídica da entidade. Ricardo recebeu um quadro comemorativo.

O diretor tesoureiro da Asplan, Oscar Gouvêa, enalteceu a importância da Asplan, destacando a entidade como ‘diferenciada’. “A cada gestão, a Asplan consegue galgar espaços muito importantes, que só engrandecem sua trajetória, consolidando-se como uma entidade, de fato, diferenciada. E a volta de José Inácio à presidência desta Casa, não apenas foi desejada, como foi uma unanimidade, pois ele é competente, inteligente, articulador, além de ser muito querido pelos associados”, disse Oscar. O consultor e associado Bennon Barreto também fez distinção ao trabalho da Asplan e a forma como a entidade se comporta em relação ao mercado e com seus integrantes. “É uma entidade que dá gosto de ver, de acompanhar. E essa tranquila transição prova que a Asplan tem muito a nos ensinar”, destacou o consultor.

O futuro presidente da Asplan, José Inácio, também enalteceu a importância da união dos produtores, fez uma breve retrospectiva sobre a política dos governos federais em relação ao setor, sobre a importância da atividade canavieira e da maneira como a Asplan superou adversidades e chegou a 2017 ainda mais fortalecida. “Na Asplan não há disputa porque o interesse é um só, ou seja, fazer o melhor para o produtor canavieiro, trabalhar em prol dele, na defesa de seus interesses. Todos os ex-presidentes da Asplan andam juntos, são amigos, e o bom dessa Família Asplan é que passamos por vários governos, várias crises  e saímos fortalecidos de todas elas, aliás, a maior parte de nossos associados são também produtores de camarão, banana e de outras culturas, ou seja, somos importantes sustentáculos econômicos e de desenvolvimento”, disse José Inácio. Ele lembrou ainda que ao compor a chapa que vai administrar a Asplan, pelos próximos três anos, procurou agregar representantes de todas as regiões, além de incluir nomes da nova geração de produtores que, segundo ele, terão a obrigação de continuar o legado de união e harmonia das gestões da entidade.

Os funcionários da Asplan também se manifestaram durante o encontro, através da apresentação de uma faixa e da leitura de mensagens que enalteciam a importância da união entre todos que integram a entidade, dos diferenciais da Asplan, de agradecimento a atual diretoria e das boas-vindas aos integrantes da nova gestão. Eles ainda fizeram uma apresentação de ginástica laboral, sob a coordenação da preparadora física, Suzete Kátia, que desde o final de setembro vem desenvolvendo um trabalho com a equipe da Asplan, nas 2ªº e 4ª feiras. O encontro foi encerrado com um almoço.

Prazo para produtores rurais aderirem ao Refis Rural foi prorrogado até 31 de outubro

Posted on

O produtor rural que quiser aderir ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), que possibilita a renegociação de dívidas rurais com boas condições de negociação, ganhou mais 30 dias. Isto porque, uma medida provisória, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, da última sexta-feira, prorrogou o prazo para adesão ao Programa que findaria no dia 29, para o dia 31 de outubro.

De acordo com a MP, quem aderir ao Programa em outubro, seja pessoa física ou jurídica, terá que pagar acumuladamente três parcelas do acordo. O programa, apelidado de Refis Rural, contempla pessoas físicas ou compradores de produção rural de pessoas físicas. Com a adesão ao programa, os débitos contraídos a partir de 2001 poderão ser refinanciados em até 180 meses (15 anos), das quais 176 prestações terão desconto nas multas e nos juros. O contribuinte já inscrito em outros programas de refinanciamento poderá permanecer neles – aderindo, ao mesmo tempo, ao PRR – ou concentrar todos os débitos no PRR.

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, comemorou a prorrogação do prazo de adesão ao Refis Rural. “Essa elasticidade no prazo, com certeza, vai possibilitar que mais produtores e empresas possam aderir ao programa. Quem se adequar às condições do Programa, com certeza, deve renegociar seus débitos porque as condições são vantajosas”, afirma Murilo.

Prazo para produtores rurais aderirem ao parcelamento de dívidas termina nesta sexta-feira

Posted on

O prazo é curto, só vai até sexta-feira (29), mas vale à pena, já que Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) possibilita a renegociação de dívidas rurais com boas condições de negociação. O programa, apelidado de Refis Rural, contempla pessoas físicas ou compradores de produção rural de pessoas físicas. Com a adesão ao programa, os débitos contraídos a partir de 2001 poderão ser refinanciados em até 180 meses (15 anos), das quais 176 prestações terão desconto nas multas e nos juros. Para que o acordo seja feito nessas condições, a única exigência é que o produtor pague 4% da dívida até dezembro de 2017.

As dívidas poderão ser quitadas mediante o pagamento, sem reduções, de 4% da dívida consolidada, em quatro parcelas com vencimento de setembro a dezembro de 2017, e o restante com desconto de 25% das multas de mora e de ofício e 100% dos juros. Se a dívida for menor ou igual a R$ 15 milhões, os 96% restantes da dívida serão parcelados em 176 meses, e o valor da parcela corresponderá a 0,8% da média mensal da receita bruta do ano anterior. A prestação mínima corresponde a R$ 100,00 para o produtor e    R$ 1 mil para o comprador. Se, após os 176 meses ainda restar dívida, o valor poderá ser parcelado em 60 meses, sem descontos. Se o membro do programa for comprador de produção rural de pessoa física com dívida maior que R$ 15 milhões, os 96% restantes da dívida serão parcelados em 176 meses, com prestação mínima de R$ 1 mil.

O contribuinte já inscrito em outros programas de refinanciamento poderá permanecer neles – aderindo, ao mesmo tempo, ao PRR – ou concentrar todos os débitos no PRR. Para o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, o Refis Rural é mais uma iniciativa do Governo Federal que pode ajudar a quitação de dívidas do setor. “Qualquer iniciativa que ajude o produtor a negociar, parcelar e ou mesmo quitar sua dívida é sempre muito bem-vinda e como o prazo está em cima, termina nesta sexta-feira, sugiro aos nossos associados procurarem a Receita Federal para identificar se se adéquam às condições do Refis. O importante é não perder essa oportunidade”, finaliza Murilo.

Fonte: Agência Brasil

 

Representantes do Ministério da Agricultura e Prefeito de Rio Tinto visitam Estação Experimental de Camaratuba

Posted on

Referência no Nordeste na produção dos insumos biológicos Cotesia Flavipes (vespas) e Metarhizium Anisopliae (fungos), utilizados para o controle de duas grandes pragas que atacam os canaviais paraibanos, a broca-comum (Diatraea spp) e a cigarrinha da Folha (Mahanarva posticata), a Estação Experimental de Camaratuba, que é mantida pela Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), recebe visitas regularmente de estudantes, pesquisadores e profissionais interessados nos processos desenvolvidos nos laboratórios da Estação. No último dia 21, a Estação foi visitada pelo prefeito de Rio Tinto, Antônio Naya, o secretário de agricultura de Rio Tinto, Antônio Macedo, juntamente aos técnicos do Ministério da Agricultura, Hermes Ferreira e Adalberto Nunes.

Os visitantes foram recebidos pelo coordenador do Departamento Técnico da Asplan,  o engenheiro agrônomo, Vamberto Rocha, que deu uma visão geral das atividades do DETEC e dos trabalhos que o departamento disponibiliza para o fornecedor de cana-de-açúcar. “Na estação produzimos mudas sadias e controladores biológicos que são distribuídos gratuitamente para os associados, e no prédio sede da Associação realizamos trabalhos de georreferenciamento, elaboração de projetos técnicos, fiscalização dos laboratórios de sacarose das unidades industriais, entre outros”, explicou Vamberto.

Em seguida, o biólogo Roberto Balbino, explicou detalhadamente o funcionamento dos laboratórios de cotesia flavipes e metarhizium anisopliae da estação. Depois das explicações, os visitantes foram verin loco a produção dos insumos e conhecer a Estação e aprovaram o que viram. Eles elogiaram a preocupação da Asplan em manter a produção de insumos biológicos e a organização da Estação.

Sobre a Estação

Situada na BR 101, próximo à entrada para o município de Mataraca, a Estação Experimental de Camaratuba foi instalada em 1979, através de um convênio entre o já extinto Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA)/Planalsucar e Asplan. Entretanto, desde 1989, a Associação assumiu a Estação e buscou novos parceiros para dar continuidade às pesquisas que vinham sendo desenvolvidas A área possui 220 hectares, sendo 80 deles para o cultivo de cana-semente de variedades promissoras e também uma área de plantação destinada à pesquisa agrícola. Os demais 140 hectares constituem área de preservação ambiental, já que a Estação está localizada em meio a uma reserva de Mata Atlântica. Na Estação ainda existe uma estação meteorológica, onde diariamente, três vezes ao dia, às 9h, 15h, e 21h, os técnicos colhem informações sobre velocidade e posição do vento, temperatura, umidade, pressão atmosférica, evaporação, pluviometria, entre outras e, repassam para o 3º DISME, em Recife.

Fórum Nordeste 2017 vai contar com participação de representantes da Paraíba

Posted on

Evento, que acontece em Recife, vai debater os desafios e oportunidades

para os biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas

 

No próximo dia 25 de setembro, as principais lideranças do setor sucroenergético vão se reunir para debater os desafios e oportunidades para  biocombustíveis, Etanol e Energias Limpas, durante o Fórum Nordeste 2017. O evento, promovido pelo grupo EQM com o apoio do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Pernambuco – Sindaçúcar, acontece em Recife (PE), na Arcádia do Paço da Alfândega, das 9h às 15h30. Da Paraíba, segue uma delegação formada por industriais e diretores da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), além do representante do Sindalcool/PB, Edmundo Barbosa, que participa como debatedor do último painel do Fórum.

Para o presidente da Asplan, Murilo Paraíso, que vai integrar a delegação da Paraíba, o Fórum é um dos espaços mais importantes de debate na região sobre assuntos relacionados ao setor sucronegético. “Esse evento já se consolidou como um dos espaços mais importantes de debates sobre assuntos ligados ao setor, sempre com temas atuais, debatidos por especialistas da área, de forma que é um evento imperdível”, afirma Murilo.

Entre os convidados do Fórum destaca-se o Ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho e os governadores de Pernambuco, Paulo Câmara; de São Paulo, Geraldo Alckmin; e de Alagoas, Renan Filho, além do prefeito de Recife, Geraldo Julio, e o presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro.

De acordo com a programação do Fórum, serão abordados os temas: RenovaBio – Uma Nova Política de Biocombustíveis para o Brasil, Eletrificação e Desenvolvimento: o Papel dos Biocombustíveis, O Setor Sucroenergético e a Implementação do Acordo de Paris,  Planejamento Energético Nacional: Perspectivas de Demanda e Oferta de Etanol, Gasolina, Biodiesel e Diesel. Mais informações sobre a edição de 2017 do Fórum Nordeste pelo e-mail forumnordeste2017@gmail.com.

Superintendente do BNB anuncia instalação de uma agência itinerante para atender produtores na sede da Asplan

Posted on

O acesso aos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), via Banco do Nordeste (BNB), ou de outras possibilidades de linhas de crédito e financiamento da instituição estarão mais acessíveis aos produtores canavieiros da Paraíba. Isto porque, o BNB vai instalar uma agência itinerante na sede da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan). A proposta, que tem o objetivo de agilizar o atendimento aos produtores e simboliza a retomada do relacionamento com a classe canavieira, foi anunciada hoje (19), pelo superintendente do BNB na Paraíba, Jorge Ivan Costa, durante reunião com produtores na sede da Associação, em João Pessoa.

Segundo Jorge Costa, a iniciativa é uma espécie de resgate das relações entre a instituição, que é um órgão do governo federal, ligado ao Ministério da Fazenda, e os produtores canavieiros paraibanos. “De fato, nós estávamos um pouco distantes da classe canavieira, embora tenhamos 230 unidades na Paraíba, e a instalação desta agência itinerante é um passo importante no resgate deste relacionamento”, disse o superintendente do BNB na Paraíba.

De acordo com o gerente executivo do BNB, Silvio Marcos, para instalação da agência, que funcionará no horário bancário, nos mesmos moldes das demais unidades do banco, basta apenas que a Asplan disponibilize uma sala, o que já foi autorizado pelo presidente da Associação, Murilo Paraíso. “A agência vai funcionar no prédio anexo da Asplan”, autorizou Murilo à gerente administrativa da Associação, Kiony Vieira que também participou da reunião. “A partir de amanhã já daremos início aos procedimentos para cessão do espaço ao BNB”, reiterou Kiony. A expectativa é que ainda este mês a agência comece a funcionar.

Além do anúncio da instalação da agência, durante a reunião que contou com a presença do secretário de Agricultura da Paraíba, Rômulo Montenegro, do deputado federal, André Amaral, além de vários produtores canavieiros, foi debatida a questão da informalidade do setor agropecuário e suas implicações no acesso ao crédito bancário, a diferença de tratamento das instituições financeiras em relação ao setor produtivo, a necessidade de ter um tratamento diferenciado entre pequenos, médios e grandes produtores no que diz respeito às exigências de licenças ambientais. A Lei 13.340, que permite o pagamento ou refinanciamento de operações contraídas até dezembro de 2011, com descontos de até 88%, além da Resolução Nº 45.91, que contempla a facilidade de pagamentos de operações realizadas entre 2011 e 2016, também foram assuntos abordados durante a reunião.

Sobre a Resolução, foi solicitado ao deputado federal, André Amaral, que intermedie junto ao governo federal uma solicitação de maior maleabilidade da Resolução, uma vez que ela restringe os benefícios de descontos e condições especiais de negociação aos municípios e localidades onde foi decretado estado de calamidade pública ou emergência. “Como a maior parte da área de produção de cana-de-açúcar não teve o registro desta situação de calamidade ou emergência, a Resolução não contempla a grande maioria dos produtores paraibanos, embora neste período todos nós tenhamos enfrentado a pior seca dos últimos 40 anos, por isso estamos pleiteando que o deputado André Amaral interceda junto ao governo federal para que ele reveja essa questão”, explicou Murilo Paraíso. O parlamentar se comprometeu, já nesta terça-feira (19), acionar sua equipe, em Brasília, para dar encaminhamento ao pleito.

Na reunião também foi explicada as formas de utilização dos recursos do FNE, cuja taxa anual é de 5,65%.  O produtor Fernando Rabelo deu um testemunho de sua satisfação em utilizar recursos do BNB, tanto para adquirir equipamentos, quanto para custeio. “Sou cliente do BNB desde 2004 e estou satisfeito com essa parceria de negócios porque no nosso ramo, especialmente, ninguém consegue trabalhar sem um banco parceiro”, disse o produtor.

Para o secretário de Agricultura, Rômulo Montenegro, a informalidade do setor agropecuário, aliado a prioridade de direcionamento que as instituições financeiras fazem para o grande produtor, em detrimento do pequeno, dificulta o acesso ao crédito para ampla maioria dos produtores. “O direcionamento de recursos ainda é muito favorável ao grande, enquanto o pequeno produtor fica de fora e isso precisa mudar. Infelizmente, ainda falta uma melhor conscientização das instituições bancárias com o setor produtivo. Se tem crédito para o setor rural, que se libere para toda a cadeia produtiva, dos grandes aos pequenos, mas, nós não vemos isso na prática”, disse o secretário, lembrando que o grande desafio é manter esse pequeno produtor em atividade, de forma equilibrada.

Senado promulga suspensão da cobrança de débitos de produtores com o Funrural

Posted on

O presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (PMDB/CE), promulgou nesta terça-feira (12), o Projeto de Resolução 13/2017, que acaba com a cobrança do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural – Funrural. Na prática, o PR suspende os trechos das leis anteriores que estabelecia a alíquota e a base de cálculo do tributo. O prazo para apresentação de recurso contra a matéria que foi aprovada, pela CCJ do Senado, terminou na última terça-feira (05), sem registro de contestação. A classe produtiva comemorou a promulgação da matéria.

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, comemorou a promulgação do PR. “Essa decisão corrige uma situação de enorme injustiça para com os produtores rurais pessoas físicas, os quais vinham sendo tributados duplamente. A classe produtiva, em especial o produtor pessoa física, recebeu com muita satisfação essa notícia que ajuda a reduzir custos, já que nós pagávamos a contribuição sobre a folha de salários e também sobre o faturamento da produção”, afirmou Murilo.

A proposta, reitera o advogado Jeferson Rocha, beneficia os produtores rurais com dívidas junto ao Funrural e acaba com a cobrança do imposto “O PR reestabelece a segurança jurídica aos produtores rurais e suspende a aplicação de dispositivos da Lei da Seguridade Social relativas à contribuição para a Previdência do trabalhador rural, trechos considerados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2010 e 2011”, explica ele.

Para a senadora Katia Abreu (PMDB-TO), autora do PR, a promulgação faz justiça a mais de 5 milhões de produtores rurais, que teriam um passivo de R$ 17 bilhões se o texto não existisse. Ela lembrou que 86% dos produtores são pequenos e médios e a grande maioria não tem renda líquida. Muitos deles, explicou a senadora, vendem seus produtos, mas acabam com prejuízo. “Nós não estamos correndo de contribuir com a Previdência Social, mas, se todos os outros setores contribuem sobre folha, contribuem sobre o lucro presumido, por que os produtores rurais deveriam contribuir sobre o faturamento bruto?”, questionou a senadora.

Deputado André Amaral se reúne com produtores da Paraíba e se compromete a defender pleitos da classe produtiva em Brasília

Posted on

        

O deputado federal André Amaral (PMDB) se reuniu, nesta segunda-feira (04), com produtores de cana-de-açúcar paraibanos. A reunião aconteceu na sede da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), em João Pessoa, e contou com a participação do presidente da entidade, Murilo Paraíso, além de diretores da Associação e produtores associados.

Do encontro, que se transformou numa grande mesa redonda sobre questões de interesse da categoria, o parlamentar levantou dados e subsídios para defender pleitos do setor, a exemplo da questão do pagamento da subvenção que, mesmo aprovada pelo governo federal, ainda pela ex-presidente Dilma, e que deveria ser paga em julho de 2015, até agora não foi concretizada.

A questão da revisão da política de desarmamento, no que diz respeito ao porte legal de arma, especialmente, para aumentar a defesa do produtor rural, haja vista a elevada incidência de roubos e crimes no campo nos últimos anos e ainda as perspectivas para as eleições do próximo ano foram também assuntos abordados durante a reunião.

O deputado se mostrou solicito aos pleitos apresentados, se dispôs a dar os encaminhamentos necessários, através de seu gabinete, e já agendou para a próxima semana uma reunião de trabalho, em Brasília, com o presidente da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Alexandre Lima. “Os pleitos são justos e pertinentes e o meu mandato está à disposição para ajudar no que for preciso”, reiterou o parlamentar, lembrando da importância da cultura canavieira para o desenvolvimento da Paraíba. “A cana-de-açúcar é um dos principais componentes da economia paraibana, é a cultura que mais se destaca na região e a que mais gera emprego”, salientou André Amaral.

O presidente da Asplan, Murilo Paraíso, agradeceu a atenção e disponibilidade do deputado e lembrou da importância dos parlamentares da Paraíba e do Nordeste defenderem a classe produtiva. “Nós temos um papel fundamental na economia e desenvolvimento do Nordeste, mas, mesmo assim, ainda temos que lutar para ter os apoios políticos necessários para defesa de nossos pleitos, de forma que agradecemos muito o interesse do nobre parlamentar em nos ajudar em causas tão importantes para todos nós”, disse Murilo.