Ação de logística reversa de recolhimento de embalagens de defensivos agrícolas tem excelente saldo de 1.800 kg

A ação de Recolhimento Itinerante de embalagens vazias de agrotóxicos realizada neste dia 30 de setembro, em Pedras de Fogo, foi um sucesso. Quase duas toneladas de embalagens foram recolhidas durante todo o dia. A iniciativa que aconteceu graças à uma parceria da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), com a Associação dos Revendedores de Produtos Agropecuários do Nordeste (ARPAN), o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens (INPEV), o CREA, a Prefeitura de Pedras de Fogo e a Secretaria de Agricultura do Estado (Sedap), contou com a mobilização de produtores rurais de cidades próximas a Pedras de Fogo, a exemplo de Juripiranga, Conde, Alhandra e Caaporã. Foram recolhidos 1.800 kilos de recipientes de defensivos agrícolas.

Durante todo o dia foi grande a movimentação no posto de coleta que foi instalado no local do antigo posto do Fisco, na entrada de Pedras de Fogo. O Gerente Administrativo e Institucional da ARPAN, Roberto Chiappetta, que gerencia o Posto de Recolhimento de Embalagens Vazias de Defensivos Agrícolas de Mamanguape (PB) lembra que a ação é uma responsabilidade compartilhada em atendimento à Lei federal nº 9.974 de junho de 2000, que dispõe sobre a logística reversa de embalagens de agrotóxicos. “Essa Lei responsabiliza o agricultor na logística reversa das embalagens vazias de defensivos, que o obriga a realizar a tríplice lavagem, perfurar as embalagens para elas não serem reutilizadas e ainda os obriga a entregar os vasilhames num posto credenciado que, no caso da Paraíba, fica em Mamanguape”, disse ele.

O coordenador do Departamento Técnico da Asplan, o engenheiro agrônomo Luís Augusto, lembra que o resultado da ação em Pedras de Fogo foi além das expectativas. “Foram recolhidas 1.800 kilos de embalagens vazias, numa demonstração de que os produtores estão conscientes da necessidade e importância dessa ação”, reforça Luís. Tudo o que foi arrecadado foi destinado à unidade de recolhimento da ARPAN, na PB. A última ação deste tipo que ocorreu na Paraíba foi no município de Natuba. No início do ano aconteceu ação similar na cidade de Itapororoca. Segundo Luis, a ação de Pedras de Fogo aconteceria em abril, mas foi adiada em função da pandemia.

O presidente da Asplan, José Inácio de Morais, destaca que a Associação, bem como os fornecedores estão comprometidos não só em cumprir a Lei, mas em preservar o meio ambiente. “Todos sabem que é preciso fazer a tríplice lavagem do recipiente e entregá-lo no posto montado durante a ação. Não podemos queimar, enterrar, jogar em lixo comum. Isso é contra a lei e contamina o meio ambiente e prejudica a saúde das pessoas”, disse José Inácio, reiterando que o sucesso alcançado pela ação do dia 30, em Pedras de Fogo, é uma demonstração inequívoca do compromisso dos produtores com o meio ambiente. “O recolhimento de 1,8 toneladas de recipientes num só dia é a prova de que os produtores estão conscientes que essa ação é necessária.

Todos os produtores que entregaram as embalagens, receberam recibos de entrega dos recipientes. “Esse comprovante deve ser guardado e apresentado em uma possível fiscalização. A lei só permite que o produtor guarde recipientes vazios de agrotóxicos até um ano. Depois disso, é preciso que ele faça a logística reversa”, reitera Roberto Chiappetta.

Postado em: 02/10/2020, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *