Deputado Jeová parabeniza brasileiros pela resistência e alerta que a luta não acabou porque ainda falta anular as ações contra Lula

Um dia a Justiça é feita, independentemente do tempo que leve porque a verdade sempre aparece. Foi com esse sentimento que o deputado estadual Jeová Campos (PSB) encarou a saída do ex-presidente Lula da carceragem, em Curitiba, n última sexta-feira (08), em função da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) pela inconstitucionalidade da prisão em segunda instância. Jeová agradeceu ao povo brasileiro pela resistência, especialmente, àqueles cidadãos que ficaram no acampamento próximo a carceragem e afirmou que a resiliência e força de Lula foram fundamentais, mas que a luta não acabou com a saída da prisão. “É preciso agora que se anulem os processos contra o ex-presidente para que a Justiça seja plena”, destaca Jeová.

“Nesse instante, eu quero compartilhar minha felicidade, o meu prazer de ver as portas daquela maldita carceragem da Polícia Federal serem abertas ao maior líder do povo da América Latina e, hoje, do mundo, Luiz Inácio Lula da Silva. Ele saiu de cabeça erguida. Não por clemencia de ninguém, mas por Justiça e pela capacidade de luta, de resistência, de resignação. Mas, também tudo isso está sendo possível graças a cada um dos brasileiros, ao seu modo, ao seu jeito, aos bravos companheiros que ficaram em Curitiba, esses são os guerreiros dessa batalha. Essa foi uma luta de pessoas simples que abraçaram a causa por uma Justiça justa”, destaca o deputado.

Apesar da alegria, Jeová alerta que a luta não está ganha e que é preciso que as pessoas continuem unidas para anular os processos que existem contra Lula, tendo em vista a sua inocência e perseguição política que ele vem sofrendo há anos “É preciso anular todos os processos contra Lula, porque eles são viciados pelo manto da perseguição, resultado de um conluio de procuradores da República de Curitiba, com Dallagnol e Moro liderando e que, de forma desavergonhada, sujaram o campo do justo ao fazer um processo com uma estratégica de perseguição política, para evitar que Lula fosse candidato”, comentou Jeová.

O parlamentar lembra que não adiantou cercear a liberdade de um líder. “Eles tentaram calar Lula com a carceragem. Impediram-no de votar. Impediram-no de apoiar seu candidato, de dar entrevista. Cercearam a liberdade do Lula de forma arbitrariamente escancarada, mas eles não impediram a capacidade dele de resistir. Assim como a resistência do povo brasileiro. Parabéns a todos. Mas, a batalha continua, porque todos esses processos precisam ser anulados, porque Lula é inocente”, finalizou Jeová, conclamando a resistência a continuar lutando por um país mais justo, igualitário e democrático.

Postado em: 11/11/2019, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *