Paciente do Hospital do Bem que recebeu cateter implantável já fez a primeira sessão de quimioterapia usando o dispositivo

Menos de 48 horas depois da cirurgia de implantação de um cateter  venoso, a paciente do Hospital do Bem, Renata Cristina Silva Gomes, de 31 anos, já fez sua primeira sessão de quimioterapia fazendo uso do dispositivo. A sessão de quimio foi feita na última sexta-feira (15) e foi acompanhada pela oncologista Nayarah Castro, que é a médica responsável por Renata, cujo tratamento foi iniciado em outubro do ano passado. O cirurgião oncológico responsável pelo procedimento de implantação do cateter, Dr. Wostenildo Crispim, e a responsável técnica da quimioterapia do Hospital do Bem, Marlira Freitas, também acompanharam a primeira sessão de quimio da paciente após o procedimento cirúrgico.

A paciente que trata de um câncer de mama estava com dificuldades de acesso venoso para realização do tratamento quimo terápico, daí a indicação da implantação do cateter. Renata, que é técnica de enfermagem e assistente social, mora em Patos e descobriu o câncer no seio em outubro do ano passado, após uma biopsia. Ela disse hoje que houve uma diferença gritante entre as sessões anteriores de quimio e a desta sexta-feira. “Antes, eu não podia me movimentar, hoje eu pude ficar deitada, sentada, me movimentar. A diferença com o cateter é enorme. Muito mais tranquilo e menos dolorido. Já teve sessão de eu ter que ser furada cinco vezes para aplicação do remédio. Hoje fiquei com meus braços livres. Foi muito melhor”, disse ela

Renata falou ainda da sua surpresa com os serviços oferecidos pelo Hospital do Bem e pela excelência do atendimento que ela teve e continua recebendo. “Desde o diagnóstico, passando pela cirurgia e, mais recentemente, pelas sessões de quimioterapia e agora com a implantação deste cateter, eu só tenho a agradecer aos profissionais do Hospital do Bem. A gente pensa que porque é pelo SUS não teremos um atendimento, nem um serviço deste nível, mas, posso assegurar que o que eu estou tendo de atenção, carinho, cuidado e tratamento aqui supera muitos hospitais particulares, isso sem falar na estrutura do Hospital e, sobretudo, na equipe de profissionais daqui. Se eu fosse atribuir uma nota seria nota mil”, reiterou a paciente que já entrou na sexta semana de tratamento quimioterápico. No caso dela, ainda há 14 semanas de tratamento a cumprir.

De acordo com Dr. Wostenildo Crispim, a evolução da paciente foi bem satisfatória. “Antes da sessão de hoje fizemos o teste de refluxo e de fluxo, com resultados positivos, fizemos a lavagem, que a gente chama de manutenção dos receptores de titânio, que fica no subcutâneo da paciente junto com um dispositivo de silicone interno, também com resultados positivos, fizemos ainda a introdução de algumas medicações antes da quimio ser iniciada e a punção foi muito boa, a paciente queixou-se de pouca dor, mesmo estando ainda com os fios da sutura, de forma que tudo aconteceu dentro do esperado e ela pôde iniciar a sessão desta semana já utilizado o cateter”, afirmou o médico.

O cirurgião oncológico lembrou que esse tipo de cateter que foi implantado em Renata é indicado para pacientes que vão fazer um tratamento quimioterápico prolongado. “A principal vantagem deste dispositivo é evitar dor e desconforto pela infusão periférica. No caso de Renata, ele é importante, pois ela fará um tratamento prolongado, de 20 semanas e já estava apresentando dificuldades para aplicação da medicação, o que não mais ocorrera com o cateter”, explica Dr. Wostenildo.

Postado em: 18/02/2019, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *