Essa iniciativa do governador Ricardo Coutinho é um marco em nome da resistência e da liberdade de expressão afirma Jeová Campos

 

“Essa iniciativa do governador Ricardo Coutinho é um exemplo, é um marco em nome da resistência, da liberdade de expressão, do reconhecimento da importância da Declaração Universal dos Direitos Humanos que completa 70 anos. Homenagear pessoas compromissadas com a liberdade é um gesto de tanta importância que não encontro agora palavras para definir minha emoção neste momento”, disse o deputado estadual Jeová Campos (PSB). O parlamentar se referia ao evento que marcou a entrega da Medalha da Liberdade para a deputada federal Luiza Erundina, Elizabeth Teixeira e ainda, in memoriam, a Marielle Franco.

A honraria, instituída graças a uma iniciativa do chefe do executivo estadual da Paraíba, é destinada a homenagear indivíduos, instituições, entidades de representação, cujas ações ou trajetórias tenham resultado em contribuição relevante para a afirmação, a promoção e a defesa dos direitos humanos, da democracia e da liberdade. A solenidade de entrega da medalha foi realizada no Espaço Cultural, na noite desta segunda-feira (10) e se repetirá, anualmente. “Direitos humanos, esse talvez seja o tema mais atual da sociedade. Direitos humanos para aqueles humanos que não têm direitos, isso pressupõe liberdade, moradia, emprego, educação e, principalmente, respeito às condições de cidadania de cada um”, pontuou Ricardo Coutinho.

Para o deputado Jeová, essa iniciativa, justamente, no momento em que se vê o ressurgimento da violência, é muito significativa. “Reconhecer a luta de quem defende a liberdade de expressão, a igualdade de direitos, uma sociedade mais justa e fraterna, é sempre oportuno e salutar. De forma que parabenizo o governador por essa iniciativa que deveria ser seguida por outros estados, poderes e instituições”, destacou Jeová, que também fez um pronunciamento na manhã dessa terça-feira, durante a sessão plenária na ALPB.

 “Voltar à Paraíba para receber essa homenagem, me retoma um pouco o tempo que tive que sair daqui porque era perseguida pela ditadura e fui embora para São Paulo. Lá continuei minha luta em defesa dos mis humildes, pela reforma agrária e ainda hoje, infelizmente, nos deparamos com episódios onde trabalhadores rurais estão sendo assassinados de forma perversa, como ocorreu no último sábado, aqui na Paraíba. Dedico essa homenagem aos que não tiveram medo de lutar e reitero meu compromisso de continuar defendendo a liberdade e igualdade entre as pessoas”, disse a homenageada que foi entusiasticamente abraçada por Jeová.

Postado em: 11/12/2018, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *