Complexo Hospitalar de Patos classifica 100% dos pacientes que são atendidos na unidade, inclusive, os do SAMU

A classificação de risco é um procedimento necessário na admissão de pacientes em qualquer unidade de saúde, seja ela pública ou privada. No Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro de Patos (CHRDJC) 100% dos pacientes que são atendidos passa agora por esse processo, mesmo àqueles que vêm conduzidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU. Esse procedimento de classificação adotado pelo Hospital está em consonância com a Resolução 2.110/2014 do Conselho Federal de Medicina e assegura que os pacientes tenham um atendimento mais eficaz, levando-se em conta a sua própria necessidade e urgência.

“A direção do hospital trabalha com a meta de classificar 100% dos pacientes que são atendidos na unidade, inclusive, os que são trazidos pelo SAMU”, reitera a diretora geral do Complexo, Liliane Sena. Ela lembra que embora o SAMU continue a ser considerado Vaga Zero, os pacientes oriundos deste serviço também precisam passar pela classificação de risco feita pela equipe do Hospital. “Esse procedimento com relação ao SAMU não quer dizer que o paciente não será atendido de imediato. Quem o acompanha continua a se dirigir à recepção para fazer a ficha do paciente. Desta forma, não há comprometimento no atendimento do paciente”, complementa Liliane, lembrando que alguns fluxos foram redefinidos, recentemente, para ajustar o acolhimento oriundo do SAMU.

O diretor técnico do Complexo e médico, Dr. José Carletti Júnior, explica que embora os pacientes do SAMU já venham regulados por médicos ou enfermeiros do próprio serviço, é importante a classificação pela equipe do Hospital. “Muitas vezes, entre o atendimento pelo SAMU e a chegada no hospital, há um certo tempo e o quadro do paciente já evoluiu, para pior ou melhor, daí a importância desta classificação no momento da entrada do paciente na unidade”, reitera Dr. Carletti. Segundo ele, esse procedimento dá mais segurança a equipe que vai atuar no atendimento e assegura ao paciente uma classificação mais fiel de seu estado no momento da admissão. Ele lembra ainda que esse procedimento não prejudica o SAMU, pois não há retenção de maca, nem ambulância por causa disso.

Dr. Carletti lembra ainda que muitos serviços de atendimento às urgências convivem com grandes filas onde as pessoas disputam o atendimento sem critério algum a não ser na hora da chegada. “Neste caso, a não-distinção de riscos ou graus de sofrimento faz com que alguns casos se agravem, ocorrendo às vezes até a morte de pessoas pelo não-atendimento no tempo adequado. O acolhimento com avaliação de risco configura-se, assim, como uma das intervenções potencialmente decisivas na reorganização das portas de urgência e na implementação da produção de saúde e, consequentemente, na eficiência do atendimento aos pacientes”, finaliza o diretor técnico do Complexo.

Postado em: 11/12/2018, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *