Jeová Campos acredita que delicado momento que passa o Brasil não deve desmotivar o povo a lutar pela redemocratização do país

 

“Não é normal o que está acontecendo no país. O Brasil está passando por um momento muito difícil e as pessoas estão apáticas em relação à política, distantes até, mas o certo é que não pode se falar em vida organizada socialmente sem política. O estado é a representação política de um povo”, destacou hoje (04), em entrevista a uma rádio local, o deputado estadual Jeová Campos. O parlamentar disse acreditar que a população, apesar da apatia, deve se mobilizar e encontrar novas saídas. “O Brasil é um país com um enorme potencial e a política certamente se reencontrará com o povo. Não há outra saída”, reiterou o parlamentar.

O maior líder político deste país, segundo o deputado, Luiz Inácio Lula da Silva está preso. “Lula foi preso por um golpe mal conduzido para o povo, mas bem conduzido por uma parte da elite, que numa afã de concentrar mais riqueza e poder, se aliou de forma vergonhosa aos interesses antinacionais, que sucumbem e comprometem a soberania nacional e que deixa em crise profunda a independência deste país. Independência não é apenas uma declaração política, é também na área da ciência, de desenvolvimento de tecnologia, da geopolítica, etc. Neste sentido, o Brasil que viveu avanços importantes entre 2003 e 2015, infelizmente, deu uma marcha ré profunda, com custos altíssimos, com aumento de desemprego, com aumento das pessoas que deixaram de ascender e voltaram para o campo da fome. Mas, eu não apenas acredito em um novo tempo, como também vislumbro um novo país”, disse Jeová.

Neste país, acredita o parlamentar, só a ruptura com a política instituída pelo golpe mudará esse quadro. “Essa ruptura não será feita por uma única pessoa, mas por toda a sociedade. Não é possível acreditar num estado democrático com um preso político. Por isso que a liberdade de Lula é condição para se reestabelecer a democracia no Brasil”, disse Jeová.

Na opinião do parlamentar, o Supremo Tribunal Federal não participou da organização do golpe, mas ele está concordando com o golpe. “O STF era para ter afastado Eduardo Cunha antes do julgamento de Dilma e o STF não deveria ter relativizado na questão do princípio da inocência”, disse Jeová, lembrando que o processo que condenou Lula à prisão não é normal e contém vícios insanáveis.

No final da entrevista, o parlamentar aproveitou para convidar para o encontro ‘Caminhada pela reconquista da democracia’ que ele vai realizar no próximo dia 06, às 19h, no Hotel Litoral, em João Pessoa, com o objetivo de debater a redemocratização do Brasil e o futuro do país e da Paraíba. “Não tenho a pretensão de mudar esse cenário apenas com esse encontro, mas ele se constituirá num palco importante de debate sobre essa caminhada em busca da redemocratização tão sonhada e esperada pela imensa maioria da população brasileira”, finalizou o parlamentar.

Postado em: 04/06/2018, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *