Unida convoca secretários de Agricultura do Nordeste para buscar saídas que revertam queda de produção de cana-de-açúcar na região

Desde os tempos do Império que a produção de cana-de-açúcar é referência maior no setor agrícola do Nordeste. Porém, nos últimos anos por causa da falta de uma política setorial, em função do fechamento de unidades industriais, por causa do reflexo de seis anos consecutivos de seca e por falta de incentivo dos governos, o volume de  produção de cana na região caiu de 60 milhões de toneladas para 40 milhões. Preocupado com essa realidade, o presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida), José Inácio de Morais, convocou os secretários de Agricultura do Nordeste para uma reunião, na próxima segunda-feira (12), na sede da Associação Pernambucana, em Recife.

Em pauta o debate sobre saídas e alternativas para estimular o setor a produzir mais e assim, pelo menos, retomar os antigos volumes de produção. Os secretários de Agricultura do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas já confirmaram presença na reunião.

“A produção de cana-de-açúcar no Nordeste vem caindo ano após ano e nada foi feito de concreto até agora para tentar reverter essa situação e dar condições do setor se recuperar e isso precisa ser encarado como prioridade pelos governos porque quanto mais se diminui a produção, mais se perde postos de trabalho, geração de renda e isso é muito grave porque a cultura da cana-de-açúcar é um dos principais sustentáculo econômicos da região e as instâncias governamentais precisam atentar para a gravidade da situação e se inserirem na busca de soluções e apoio ao setor antes que seja tarde demais”, argumenta José Inácio.

O presidente da Unida, que também dirige a Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), lembra que a produção de Alagoas, que ainda lidera o ranking de safra dos estados do Nordeste, caiu de 26 milhões de toneladas para 13 milhões. Pernambuco que ainda ocupa a segunda posição em volume de produção já chegou a produzir de 20 milhões de toneladas/safra e, atualmente, registra cerca de 11/12 milhões de toneladas. A Paraíba, que ocupa a terceira posição em produção na região, foi o único estado que não registrou decréscimo na produção, e deve fechar a safra 2017/2018 com um volume em torno de 6 milhões de toneladas, praticamente o mesmo dos últimos anos.

Postado em: 09/03/2018, Por : News Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *