Month: janeiro 2016

Prazo para pagamento da Contribuição Sindical Rural sem multa termina no dia 31 de janeiro

Posted on

O prazo para o pagamento da Contribuição Sindical Rural, Pessoa Jurídica, exercício 2015 termina no dia 31 de janeiro.  Por isso, é preciso ficar atento  para evitar juros e multas. O alerta é da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan). “O pagamento da contribuição é fundamental  porque é utilizado pelo sistema sindical rural na defesa dos direitos, das reivindicações e dos interesses da classe produtora, independente do seu tamanho ou atividade”, afirma Murilo Paraíso, presidente da Asplan. A contribuição é um tributo obrigatório, previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), regulamentada pelo Decreto nº 1.166/1971.

A tributação é obrigatória para todos os produtores rurais (PJ) com propriedades acima de dois módulos ou que desenvolvam qualquer atividade rural, ou ainda aqueles que tenham propriedades arrendadas ou possuam funcionários.  O cálculo da contribuição é realizado com base na parcela do Capital Social – PCS, atribuídas ao imóvel.
Todas as informações referentes à tabela da Contribuição Sindical Rural – 2016 – estão disponíveis no Canal do Produtor, na página
http://www.canaldoprodutor.com.br/contribuicao-sindical/o-que-e. A CNA envia ao produtor rural uma guia bancária, já preenchida, com o valor da sua contribuição sindical rural de 2016. Até a data do vencimento, a guia pode ser paga em qualquer agência bancária. Depois dessa data, somente em agências do Banco do Brasil, no prazo máximo de até 90 dias após o vencimento, sendo o valor acrescido dos encargos legais. Para as pessoas jurídicas, o vencimento é 31/01/2016 e, para pessoas físicas, em 22/05/2016.

Coordenação do Banco de Leite da Maternidade de Patos faz apelo às mães doadoras para aumentar estoque

Posted on

Estoque está baixo e precisa de reforço para atender a demanda da maternidade

O Banco de Leite Humano Dr. Vilani Kehrle, da Maternidade de Patos, oferece alimento apropriado para os  bebês  hospitalizados que necessitam  de complemento alimentar. Todos os meses, o Banco de Leite auxilia uma média de 100 crianças nascidas na Maternidade, proporcionando a primeira e a principal fonte de nutrição dos recém-nascidos até que eles se tornem aptos a sugar o seio da  mãe. Contudo, nessa época do ano, quando muitas doadoras viajam por causa das férias, o estoque de leite baixa a níveis preocupantes, daí a necessidade de captar mais doações.

Segundo a coordenadora do Banco de Leite Humano (BLH), Joana Sabino de Almeida, hoje o estoque de leite humano está reduzido, com risco de  não suprir toda a demanda caso não haja uma reposição satisfatória. “Estamos com um estoque crítico, de apenas um freezer, o que é muito pouco para atender os recém-nascidos, e com poucas doadoras fixas, e algumas delas estão viajando o que aumenta a nossa preocupação”, afirma Joana, fazendo um apelo para que as mães que tenham leite excedente doem o alimento para o banco.

Ainda segundo Joana, há necessidade de doadoras é frequente. “Sempre precisamos de mais doadoras e, consequentemente, de mais leite, uma vez que existe uma rotatividade grande de credenciamento na Maternidade”, destaca  ela. Joana Sabino explica que o leite humano coletado, após passar pelo processo de controle de qualidade, feito no próprio laboratório do BLH por um bioquímico, é armazenado em frascos de vidro esterilizados e colocados em freezers. O material coletado tem validade de seis meses.

Para ser doadora é só entrar em contato através dos telefones 3423-2157 e  3421-5252, que a equipe do Banco de Leite faz atendimento domiciliar, orienta a mãe com os procedimentos básicos de higiene de manuseio do leite e  da ordenha mamaria, como também leva um kit esterilizado que o Banco de Leite fornece contendo (gorro, luvas, máscara, vidro esterilizado e etiqueta identificadora) para que o leite seja ordenhado com qualidade  Além disso, a equipe do BLH passa três vezes na semana pegando o leite ordenhado em domicilio.

O diretor geral da Maternidade, que é a gestora do Banco de Leite, Dr. Odir Pereira Borges Filho, lembra que o leite materno é um alimento completo. “Ele fornece nutrientes em quantidade adequada (carboidratos, proteínas e gorduras), componentes para hidratação (água) e fatores de desenvolvimento e proteção como anticorpos, leucócitos (glóbulos brancos), macrófago, laxantes, lípase, lisozimas, fibronectinas, ácidos graxos, gama-interferon, neutrófilos, fator bífido e outros que atuam contra infecções comuns da infância, além de ser isento de contaminação e perfeitamente adaptado ao metabolismo da criança”, explica o médico. Ele lembra ainda que a complementação do leite materno com água ou chás é desnecessária, inclusive em dias secos e quentes. “Recém-nascidos normais nascem suficientemente hidratados para não necessitar de líquidos, além do leite materno”, conclui Dr. Odir.

Padrão Ouro

O Banco de Leite Dra. Vilani Kehrle da Maternidade de Patos foi credenciado, em 2013, pelo Programa Ibero-Americano de Bancos de Leite Humano com padrão Ouro. Isso significa que a instituição atingiu o padrão de excelência na avaliação da estrutura física, equipamentos, funcionários e nos serviços prestados à população, com pontuação de nível de qualidade entre 90 e 100 pontos. Este ano esse padrão foi novamente reconhecido.

Hospital de Taperoá orienta pacientes e visitantes sobre os cuidados para evitar a dengue e outras doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti

Posted on

 

Ação educativa começou a ser realizada nesta terça-feira (06)

 e vai acontecer durante todo o mês de janeiro

 

Conscientizar sobre a importância de prevenir a proliferação do mosquito Aedes Aegypti e, consequentemente, de casos de doenças advindas da picada deste inseto e formar multiplicadores para disseminar as informações que combatam o agente transmissor da Dengue, Zica e da febre Chikungunya. Foi com esse propósito, que a direção do Hospital de Taperoá (HGT), junto com o serviço de psicologia, iniciou, na nesta terça-feira (06), uma ação educativa com pacientes, visitantes e as pessoas que participaram da triagem para as cirurgias eletivas. A iniciativa, que será realizada ao longo deste mês, incluiu além da palestra, a distribuição de panfletos com dicas de como combater o mosquito, identificar sintomas, tratar os doentes, entre outras informações de interesse público sobre o assunto.

“Além de orientar as pessoas que estão no hospital, também solicitamos que eles se tornassem multiplicadores das informações recebidas aqui, a fim de formarmos uma corrente crescente de cidadãos conscientes da necessidade de cada um fazer sua parte no combate a proliferação do mosquito que é o vetor para a dengue, Zica, Chikungunya e até casos de microcefalia em gestantes que são picadas no inicio da gravidez”, explica o diretor geral do HGT, Alex Cabral. E para estimular a disseminação das informações, o hospital distribuiu com os presentes uma carteirinha de ‘Voluntário Multiplicador’, feita pela própria equipe do hospital. Nesta primeira ação, cerca de 200 pessoas, das cidades de Areia de Baraúnas, Assunção, Cacimbas de Areia, Cacimbas, Campina Grande, Desterro, Equador (RN), Gurjão, Itatuba, Juazeirinho, Junco do Seridó, Juru, Livramento, Matureia, Santo André,  São José dos Cordeiros, Teixeira e Taperoá foram contempladas.

Ainda segundo Alex Cabral, todos se mostraram muito satisfeitos com a ação e elogiaram a iniciativa, se comprometendo a disseminar as orientações em suas cidades, com seus vizinhos, nas escolas, com seus filhos e parentes, nas associações de bairros, nas reuniões da igreja, etc. “Criamos um slogan para nominar nossa iniciativa que é ‘Minha casa e minha rua contra a dengue’ e com essa corrente solidária, multiplicando as informações, estamos fazendo a nossa parte. A prevenção, neste caso, também é a melhor solução”, finaliza Alex. A psicóloga Mércia Marques, a nutricionista, Anne Caroline e o funcionário José Ronaldo Farias também participaram da palestra desta terça-feira.

 

 

Quase cinco mil atendimentos médicos e odontológicos foram realizados pelo Departamento de Assistência Social da Asplan em 2015

Posted on

 

Departamento médico realizou 2.788 procedimentos e setor de odontologia contabilizou 1.875 atendimentos

O bem estar e saúde de seus associados e familiares sempre norteou as atividades da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan). Por isso, além das ações institucionais, a entidade mantém serviços de assistência social, que incluem atendimentos médicos e odontológicos. Ao longo de 2015, a Asplan contabilizou quase cinco mil atendimentos gratuitos. Foram 2.788 atendimentos no setor médico, incluindo exames laboratoriais e de enfermagem, e 1.875 procedimentos odontológicos.

O balanço geral do Departamento de Assistência Social da Asplan contabiliza, no setor médico, 1.436 atendimentos clínicos/Ocupacional, a realização de 1.145 exames laboratoriais e ainda 207 atividades de enfermagem sob a coordenação do médico do trabalho, Dr. Heleno Lino da Silva.

Na área de odontologia, a dentista Wilma Dantas, contabilizou 1.975 procedimentos ao longo de 2015, em um total de 1.331 pacientes, entre associados, cônjuges e filhos destes, além de funcionários da entidade. Restauração de Resina Foto aparece no topo da lista dos procedimentos mais procurados, com um total de 551 atendimentos, seguido de Restauração de Amálgama, com 426 serviços realizados, que incluem ainda outras ações como Exodontia, restaurações, retirada de tártaro, tratamento de canal, aplicação de flúor e selante, além de clareamento.

“Os números de atendimentos na área de saúde registrados no ano passado refletem o compromisso da associação em continuar disponibilizando esse serviço diferenciado e prestando um serviço de excelência aos associados, extensivos aos conjugues, filhos e também aos nossos funcionários, que extrapolam as nossas ações institucionais na defesa dos interesses da classe de produtores de cana na Paraíba. Eles visam melhorar a saúde e bem estar de todos que integram a Família Asplan tornando a entidade uma extensão da casa do produtor, através do setor de Assistência Social”, afirma o presidente da Associação, Murilo Paraíso.

Os serviços médicos, incluindo exames admissional, demissional, periódicos, assim como procedimentos de enfermagem (curativos, medição de pressão, entre outros) são oferecidos pela Asplan no período da manhã, de segunda a quinta-feira, das 8h às 12h. Já os serviços de odontologia estão disponíveis também de segunda à quinta-feira, nos períodos da manhã (das 8h às 12h) e da tarde (das 13h às 17h). Os atendimentos ambulatoriais abrangem ainda, caso necessário, o encaminhamento para o Laboratório Valdevino, conveniado da entidade.

A gerente administrativa da Asplan, Kiony Vieira, explica que os atendimentos referentes à medicina do trabalho podem ser realizados na sede da propriedade rural mediante agendamento prévio. “Para uma maior comodidade do produtor, dispomos de uma equipe que vai até a unidade canavieira, dispensando o deslocamento dos trabalhadores até a sede da Asplan, em João Pessoa”, lembra Kiony.

 

Produtores de cana da Paraíba têm assistência técnica permanente para orientar sobre normas e procedimentos

Posted on

 

Para evitar que o empregador rural seja penalizado com notificações, interdições ou multas através dos órgãos fiscalizadores, em virtude do não cumprimento de normas e procedimentos, a exemplo da NR 31 (Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), a Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) disponibiliza para seus associados uma assistência especializada desenvolvida pelo técnico de Segurança do Trabalho da Associação, Natanael Leal da Silva. Entre janeiro e dezembro de 2015, essa assistência, que é desenvolvida nas próprias fazendas dos produtores, contabilizou 47 procedimentos, entre visitas técnicas, palestras e cumprimento de notificação da NR-31 e da DRT.

No total, foram 33 visitas técnicas, dois treinamentos de agrotóxicos, três palestras sobre uso e manuseio de agrotóxicos, três cumprimentos da NR-31, três visitas na frente de corte, uma palestra sobre uso correto de EPI’s e quatro cumprimentos da DRT. De acordo com Natanael, ele também representa a Associação na Comissão Permanente Regional Rural (CPRR), que é composta por representantes do Governo (MTE, Procuradoria Regional do Trabalho, INSS e AGEVISA), dos Empregadores (Asplan, Faepa, Sindalcool) e dos Trabalhadores (Fetag e Sindicatos Rurais). “Através dos encontros da comissão nos atualizamos sobre a área de Segurança e Medicina do Trabalho para, posteriormente, transmitir aos associados, em suas fazendas, e também na sede da Asplan as diversas adequações da NR31”, destaca Natanael.

As visitas técnicas e ações de segurança do trabalho foram realizadas, em 2015, nas fazendas Bela Vista, Vale Verde, São José, Nossa Senhora da Conceição, Bonita, Fundo do Vale, Imbiribeira, Mariana, Santa Inês, Gurugy Pau dos Ferros, Mangabeira, além da estação Experimental de Camaratuba.

Para solicitar a assistência técnica, basta que o produtor agende com a Asplan, pessoalmente ou através do telefone da entidade (83) 3241-2464, de segunda a quinta-feira, das 8h00 às 12h00 e das 13h00 às 17h00, e as sextas-feiras, das 8h às 13h. A visita do técnico de Segurança do Trabalho obedece a um cronograma previamente definido e acontece durante toda a semana, no horário da manhã. Não há nenhuma cobrança pelo serviço que é disponibilizado gratuitamente pela entidade.

Sobre a Norma Regulamentadora

A NR 31 tem por objetivo estabelecer os regulamentos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento das atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aqüicultura com a segurança e saúde e meio ambiente do trabalho.

 

Produtores rurais do Nordeste ganham mais tempo para quitar débitos sem serem inscritos na dívida ativa

Posted on

Medida Provisória suspende até 31 de dezembro deste ano inscrição

de débito de produtores rurais do NE na dívida ativa

 

“Não é um perdão, mas já é um alívio”, avalia o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, referindo-se a edição da Medida Provisória 707, que permite ao produtor rural do Nordeste endividado trabalhar e se recuperar financeiramente sem ser inscrito na dívida ativa ao longo deste ano. A MP, publicada na edição do Diário Oficial da União, do último dia do ano passado, suspende a inscrição dos devedores até o dia 31 de dezembro de 2016.

O pedido da suspensão foi feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e acatado pela presidente Dilma Rousseff, sob o argumento de que o alongamento do prazo  é  necessário por causa das sucessivas quedas de produção provocadas pela falta de chuvas  na região. A suspensão da cobrança das dívidas, contudo, não representa um perdão.

Dados do Ministério da Agricultura atestam que a produção agrícola no Nordeste caiu 32% e a área plantada, foi reduzida em 50% em relação ao período anterior à seca, nos anos de 2009 e 2010. Ainda segundo o ministério, o fenômeno meteorológico El Niño fez com que a seca persistisse no Nordeste em 2015, com grandes chances de ocorrer novamente em 2016.

“A seca, a queda na produção, os altos preços dos insumos,  aliado ao endividamento histórico dos produtores locais, que não conseguem com o pouco que ganham pagar as contas com juros e correção, formam um ciclo que impedem o desenvolvimento da produção local e qualquer ação que traga alívio dessa situação é sempre bem-vinda”, finaliza Murilo Paraíso.

 

Fonte: Agência Brasil/CNA

Produtores rurais da Paraíba têm até o dia 31 de julho para se inscrever no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS

Posted on

 

 

O Diário Oficial do Estado, do dia 29 de dezembro do ano passado, traz uma publicação que interessa diretamente aos produtores agropecuários da Paraíba e que modifica o art. 1º da Portaria nº 014/GSF, de 3 de março de 1998, que passa a vigorar com outra redação. Assim, os produtores agropecuários, pessoas físicas, precisam se inscrever no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS, mediante preenchimento do formulário denominado Ficha de Atualização Cadastral (FAC), modelo 69. A legislação estadual estabelece que essa inscrição ocorra até o dia 1º de agosto deste ano, mas, resolução recente do Governo Federal, que se sobrepõe a estadual, fixa como data limite o dia 31 de julho.

“Esse assunto é de extrema importância, uma vez que vencido o prazo, as unidades industriais ficam impossibilitadas de procederem com o pagamento para o produtor que não estiver com a sua inscrição em dia. Portanto, quem não estiver com o cadastro, ficará impedido de receber o pagamento pela cana fornecida à indústria”, explica o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso.

Segundo o contador Aderaldo Júnior, o produtor não deve esperar para realizar sua inscrição no fim do prazo. “A burocracia é grande para a efetivação da inscrição e para tanto é exigido alguns documentos, de forma que é melhor o produtor se antecipar e fazer logo sua inscrição”, alerta Aderaldo, lembrando que o prazo anterior, de janeiro deste ano, foi prorrogado e que, por isso, não deve ter mais tolerância.

Para preencher a Ficha de Atualização Cadastral (FAC), modelo 69, que homologará a inscrição no cadastro, o produtor precisa anexar a cópia da Carteira de Identidade Civil, do Título de Eleitor e do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); a  certidão de Registro do Imóvel que comprove sua propriedade ou, caso não seja próprio, cópia do instrumento jurídico que autorize sua utilização; comprovante de pagamento da Taxa de Utilização de Serviços Públicos, referente à Ficha de Inscrição de Contribuinte (FIC); Certidão Negativa de Débito para com a Fazenda Estadual, relativa ao responsável pelo estabelecimento e ao cônjuge e ainda o comprovante de filiação à Federação da Agricultura do Estado da Paraíba -FAEPA, ou a Sindicato da categoria.

O ano deverá ser difícil até para o agronegócio

Posted on

Juros altos, pouco crédito e clima adverso são

algumas das projeções de especialistas para 2016

            A expectativa do mercado é que após meia década surfando em boas ondas, o agronegócio no Brasil poderá passar por turbulências neste ano. O setor, segundo especialistas, provavelmente não sentirá os efeitos do agravamento da recessão como os demais segmentos da economia formal, mas o produtor que não fizer ajustes em gastos e levar as contas na ponta do lápis pode passar por maus momentos. “2016 será um ano de cautela, de pouca ousadia e menores investimentos”, reforça o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso.

O cenário mudou radicalmente para o agronegócio e as influências não vêm só das incertezas políticas e econômicas que afetam o País, mas também do exterior. Os preços das principais commodities estão em queda em dólar e uma reversão desse cenário não é provável, a menos que ainda haja uma catástrofe na safra 2015/16 da América do Sul.

Crédito caro e escasso e clima adverso completam a lista dos problemas que geram uma grande indefinição para o setor, principalmente para a safra 2016/17. Fábio Silveira, diretor de pesquisa econômica da GO Associados, estima crescimento entre 8% e 9% para a receita no campo em 2016. Para o PIB do agronegócio, a expectativa é de crescimento de 2% em 2016, ante 2,2% em 2015. Um crescimento entre 2% e 2,5% também é esperado pela Associação Brasileira de Agribusiness (Abag).

As condições de financiamento, em baixa e com juros altos demais, segundo especialistas também devem ser o principal desafio a ser enfrentado pelos produtores brasileiros ao longo de 2016. “Quem tiver de ir ao mercado pagará 20% de taxa e é quase irracional produzir em um cenário como esse. O produtor capitalizado sobrevive, mas vai diminuir o apetite para produzir”, afirma Leonardo Sologuren, da consultoria Horizon.  Os bancos devem pisar no freio no repasse de dinheiro, o que vai levar os produtores para as tradings, que também vão avaliar cada vez mais a saúde financeira do agricultor antes de liberar crédito.

“Como se vê, o cenário é de cautela, de contenção de gastos, de procura de aumento de produtividade, de racionalização de recursos, enfim, de muita prudência”, finaliza Murilo Paraíso.

Fonte: AFCP

Deputado Jeová Campos elogia iniciativa do Governo Federal de dar mais tempo para produtores rurais do Nordeste quitar débitos

Posted on

 

Parlamentar se refere a edição da Medida Provisória que suspende até 31 de

 dezembro inscrição de débito de produtores rurais do NE na dívida ativa

 

O deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar da Água da ALPB, Jeová Campos (PSB), elogiou a iniciativa do Governo Federal, que através da Medida Provisória 707, permitirá ao produtor rural do Nordeste endividado trabalhar e se recuperar financeiramente sem ser inscrito na dívida ativa ao longo deste ano. A MP, publicada na última edição do Diário Oficial da União de 2015, suspende a inscrição dos devedores até o dia 31 de dezembro de 2016.

“O problema da seca no Nordeste atinge diretamente o produtor rural que sem água vê sua produção morrer e sua criação ser dizimada. Como pagar dívidas quando não existe ganho de produção?  Essa iniciativa do governo traz um alívio para os produtores que enfrentam uma das piores secas da região e é muito bem-vinda. O ideal seria o perdão das dívidas, mas, essa determinação já é um bom alento”, afirma o parlamentar que conhece de perto a problemática da seca.

Dados do Ministério da Agricultura atestam que a produção agrícola no Nordeste caiu 32% e a área plantada, foi reduzida em 50% em relação ao período anterior à seca, nos anos de 2009 e 2010. Ainda segundo o ministério, o fenômeno meteorológico El Niño fez com que a seca persistisse no Nordeste em 2015, com grandes chances de ocorrer novamente em 2016. “As perspectivas de chuva para esse ano não são nada animadoras e o nordestino se apega a esperança de que as obras da transposição do Rio São Francisco fiquem concluídas no começo de 2017 e esse problema da falta de água seja solucionado em definitivo”, finaliza o parlamentar.

Semob recebe pedido de reavaliação tarifária das empresas de ônibus

Posted on
Mário Tourinho, fazer Sintur-JP
Mário Tourinho, do Sintur-JP

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de João Pessoa (Sintur-JP) protocolou, Nesta sexta-feira (08), na Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob), Pedido de reavaliação da tarifa dos Ônibus Desta capital. De a Acordo com o Diretor institucional que SINTUR-JP, Mário Tourinho, sem Documento protocolado na Semob consta that from uma Reunião de 1º de dezembro do ano Passado, faça Conselho Municipal de Mobilidade Urbana, o Setor Empresarial apresentou Uma Lista de Sugestões e de preocupações Ao relativas transporte coletivo e que Entre ELAS estava uma Questão da indispensabilidade do Equilíbrio Econômico-Financeiro parágrafo um Prestação Desse Serviço.

“O Que pedimos – e insistimos PEDIDO Nesse – E that um Própria Semob, atraves de SUA Equipe Técnica, perceber ESSE Estudo EO Apresente Ao Conselho de Mobilidade Urbana para, Conforme o Respectivo resultado, DEPOIS o encaminhe Pará uma Apreciação do Chefe do Executivo municipal “, Disse o Diretor do Sintur-JP, lembrando que no Documento Entregue uma Semob NÃO foi Feita a anexação de planilha Indicativa fazer Preço da tarifa.

AINDA de a Acordo com Mário Tourinho, o Setor Empresarial Conta com SUA planilha e Respectivo resultado tarifário, Mas Não cabe Divulgar LHE. “A planilha oficial e that Todas as vezes E uma apreciada no Conselho de Mobilidade Urbana E um da Semob e NÃO uma das Empresas. Se uma planilha da Semob apresentar Diferenças significativas da elaborada cabelo Setor Empresarial, aí, sim, oportunamente, fazermos NOSSOS questionamentos “, Destaca o representante do Sintur-JP.

Ao declarar that uma tarifa Atual ESTÁ defasada desde SUA Origem, Mário Tourinho justificou that na planilha apreciada anteriormente o Preço da Passagem Aprovado Pelo Conselho Municipal de Mobilidade Urbana foi de R $ 2,76 e R $ 2,70 NÃO. “Portanto, DESDE O Início da Tarifa Atual JÁ ESTAMOS TRABALHANDO COM Uma defasagem de SEIS centavos (R $ 0,06)”, DeCLARA Mário.

Para o Diretor do Sintur-JP, um Econômica Situação do país, com SUA crise e INFLAÇÃO Elevada, atingiu em Cheio principalmente o Setor de transporte coletivo a Partir da Elevação nsa Preços de hum dos insumos Básicos Desta Atividade, Que É o Combustível. “Nestes SOMENTE ULTIMOS 40 dias, o óleo diesel subiu R $ 0,26 litro POR, logotipo, parágrafo hum Setor that consome 1,6 Milhão de litros por MES, Só ai ESTA UM Adicional de CUSTO De Mais de R $ 400 mil reais “, enfatiza Mário.

Tarifas de OUTRAS Cidades

Diante da insistência Quanto Ao Por Que o SINTUR-JP NÃO informar Qual a tarifa that entende necessaria parágrafo um Prestação fazer SERVIÇO DE transporte coletivo Aqui em João Pessoa, Mário Tourinho sugeriu Que se observassem como Tarifas de OUTRAS Cidades de porte semelhante e Até Menores that João Pessoa. “Nem cabe that apontemos Uma Salvador Que ESTÁ com o Preço de R $ 3,30. Mas, Lá em Aracaju, Cidade Bem semelhante à paraibana de capital, desde dezembro that uma tarifa ESTÁ em R $ 3,10. E nenhuma interior de Pernambuco, a Cidade de Petrolina Já VEM Praticando tarifa de R $ 3,20, valor that MESMO ESTÁ Aprovado Pelo Conselho de Mobilidade Urbana de Maceió, Aguardando a Homologação do prefeito de la. E atentemos that in Varias Cidades há Isenção de ICMS fazer Combustível fazer transporte coletivo e also fazer ISS das Prefeituras, O Que NÃO ocorre aqui “, finalizou o Diretor do Sintur-JP.