Month: janeiro 2016

Federação dos Plantadores de Cana do Brasil realiza reunião para discutir temas relacionados ao setor e debater eleição da nova diretoria

Posted on

Presidente da Asplan, Murilo Paraíso e dirigentes de outras associações do Nordeste participaram do encontro, em Brasília,  nesta terça-feira (26)

Com o objetivo de discutir temas relacionados ao setor da cana-de-açúcar e promover a troca de experiências entre os associados de entidades ligadas à cultura canavieira do Nordeste, além de deliberar sobre a eleição dos membros da nova diretoria e do conselho fiscal, para o triênio 2016-2019, o presidente da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), Paulo Leal, conduziu uma reunião, na última terça-feira (26), em Brasília, na sede da entidade. O presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, participou do encontro junto com dirigente das associações de Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte.

Segundo Murilo Paraíso, o principal item da pauta foi à convocação das Associações de Plantadores e Fornecedores de Cana-de-açúcar filiadas à FEPLANA, para a Assembleia Geral Extraordinária, que será realizada na sede social da Feplana, no dia 23 de março,  e para a Assembleia Geral Ordinária, que será realizada na mesma data e local, logo em seguida. “Na Assembleia Geral Extraordinária vamos discutir, retificar e consolidar o Estatuto aprovado na reunião do dia 26, que entrará em vigor a partir da sua aprovação, enquanto que na Assembleia Geral Ordinária, vamos aprovar as contas da Diretoria, votar o Balanço anual, ver a prestação de Contas do Conselho Fiscal relativa ao exercício de 2015, discutir e votar o parecer do Conselho Fiscal, analisar o relatório das atividades da Diretoria relativo ao ano de 2015 e eleger os membros da diretoria para o triênio 2016-2019 e os que comporão o Conselho Fiscal para o exercício de 2016”, destaca Murilo.

Ainda de acordo com o dirigente da Asplan, durante sua permanência em Brasília ele também participou de reuniões no Ministério da Agricultura para tratar de assuntos de interesse do setor, a exemplo da renovação da Lei 12.999 que trata do pagamento da subvenção para produtores de cana-de-açúcar do Nordeste e do Rio de Janeiro. Além de Murilo Paraíso, participaram das reuniões em Brasília o presidente da União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida), Alexandre Lima, da Associação do Rio Grande do Norte, Renato Lima, Gerson Carneiro Leão, de Pernambuco,  e o representante da Cooperativa de Crédito Rural dos Plantadores de Cana de Alagoas, Fernando Rossiter.

Carta da Feplana

No dia seguinte à reunião em Brasília, o presidente da Feplana, Paulo Leal, encaminhou um comunicado aos presidentes das associações de Plantadores de Cana-de-açúcar de todo o país, agradecendo o apoio recebido pelas entidades durante os três anos que ele esteve à frente da Federação. O documento destaca que “apesar da crise que assolou drasticamente e continua a assombrar o setor sucroenergético, houve avanços significativos, a Feplana se fortaleceu politicamente, e hoje, é frequentemente consultada pelos Poderes do Estado, quando o tema envolvido é o setor sucroenergético”. No texto é destacado ainda que “durante esse período, a Petrobrás deixou de subsidiar a gasolina e a CIDE retornou a compor o seu preço, o que permitiu ao etanol uma importante alavancada em seu preço, tornando-o novamente competitivo”.  A carta é encerrada com o destaque que “o setor precisa de apoio e de forte atuação das entidades de classe e que a Feplana deve sempre tutelar os interesses dos produtores de cana-de-açúcar, e desempenhar o seu papel com maestria e perseverança neste próximo triênio que está por vir”.

CNA debate melhorias na MP 707 que trata sobre o endividamento dos produtores rurais na área de atuação da SUDENE

Posted on

A Comissão da Região Nordeste do Brasil, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), se reuniu, na última terça-feira, na sede da CNA, em Brasília, para discutir melhorias na Medida Provisória 707/2015, que trata dos problemas de endividamento dos produtores rurais na área de abrangência da SUDENE. A MP suspende, até 31 de dezembro deste ano, a inclusão de novos contratos inadimplentes de crédito rural na Dívida Ativa da União (DAU) e também o encaminhamento para cobrança judicial das dívidas rurais de operações contratadas por produtores com empreendimentos localizados nos estados do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo.

A MP beneficiou uma parcela de produtores rurais, mas a CNA vai reforçar a importância das demais medidas já pleiteadas anteriormente, junto ao Governo Federal, explica o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (FAEPA), Mário Borba, que integra a Comissão da Região Nordeste do Brasil da CNA e participou da reunião. “Queremos uma solução definitiva dos passivos rurais para fortalecer a economia do Nordeste”, argumenta Mário. Ele explica que essa Medida Provisória representa uma grande ferramenta na busca de soluções para os problemas de endividamento dos produtores com empreendimentos rurais na área de atuação da SUDENE, mas que há muito mais por se lutar.

“A MP 707/2015 não é um perdão, mas já é um alívio, pois permite ao produtor  rural do Nordeste endividado trabalhar e se recuperar financeiramente, sem ser inscrito na dívida ativa ao longo deste ano”, argumenta o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, lembrando que qualquer ação que traga alívio para o produtor é sempre bem-vinda.

Asplan orienta fornecedores da Japungu sobre obrigatoriedade de inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS

Posted on

Asplan montou esquema especial de atendimento no prédio sede da entidade para orientar produtores sobre como proceder com o preenchimento da FAC

Obrigatória desde 1998, mas exigida a partir de 31 de julho deste ano, a inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS é condição para deixar apto o produtor a receber o pagamento pela cana fornecida à indústria. Nesta terça-feira (26), a Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) realizou uma palestra na sede da Japungu para orientar os fornecedores daquela unidade sobre os procedimentos de preenchimento do formulário denominado Ficha de Atualização Cadastral (FAC), modelo 69, que atende a nova resolução que estabelece que os produtores agropecuários, pessoas físicas, precisam se inscrever no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS.

Com o avanço tecnológico e o uso da emissão da nota fiscal eletrônica, explica o contador da Asplan, Aderaldo Júnior, a Secretaria de Finanças do Estado precisou se adequar a esse processo e, por isso, a inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS, além de obrigatória, passará a ser exigida. “Por isso, quem não se inscrever até o dia 31 de julho, ficará impedido de receber seus pagamentos”, afirma o contador que fez a palestra na Japungu e deu treinamento para funcionários da indústria sobre o preenchimento da FAC.

A Asplan montou um plantão para dar orientação e consultoria para quem tiver dúvidas em relação a esse procedimento determinado pelo art. 1º da Portaria nº 014/GSF, de 3 de março de 1998, que passa a vigorar com outra redação. No plantão que começou nesta terça-feira (26) e vai funcionar de segunda a quinta-feira, das 8h ao meio dia e das 13h às 17h, e na sexta-feira, das 8h às 14h, no primeiro andar do prédio sede da entidade, os funcionários tanto checam toda a documentação necessária, como executam o preenchimento da FAC. “O produtor que tiver toda a documentação já sai da Asplan com seu cadastro concluído”, afirma a gerente administrativa da Asplan, Kiony Vieira. O serviço é gratuito para todos os associados da Asplan e será realizado pelos funcionários Caio Alcoforado e Washington Luis.

O presidente da Asplan, Murilo Paraíso, lembra que a inscrição é muito importante para o produtor. “Sem ela, após o dia 31 de julho, as unidades industriais ficam impossibilitadas de procederem com o pagamento para o produtor que não estiver com a sua inscrição em dia”, destaca Murilo.

Caldo de cana-de-açúcar ganha versão industrializada

Posted on

Bebida tipicamente brasileira, o caldo ou suco de cana-de-açúcar, que é vendida principalmente nas feiras livres do País, acaba de ganhar uma versão industrializada e pioneira no mercado nacional. Com isso, a partir de agora, os hotéis podem oferecer, seja entre os itens do frigobar nos quartos como nos pontos de vendas gastronômicos de seus empreendimentos o Kanaí.

O Kanaí é produzido em processos artesanais, a partir da moagem da cana-de-açúcar, sem a adição de açúcar refinado, corantes ou conservantes. Moído manualmente em moendas de aço inox e a frio, o suco é envazado em garrafas de vidro, de 1 litro ou 250 ml, e pasteurizado. O processo de pasteurização do Kanaí foi patenteado com o apoio do Instituto de Tecnologia de Alimentos- Ital, instituição científica do governo de São Paulo que se destaca por desenvolver tecnologias que ampliam o “tempo de prateleira” dos produtos.

Por ser o primeiro suco de cana-de-açúcar do país, o Kanaí conquistou a criação de um parâmetro para o produto no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Produzido pela Sustên, o Kanaí tem certificado que permite a exportação do produto aos Estados Unidos, expedido pelo Food and Drug Administration (FDA).

Crise econômica fecha cinco empresas de ônibus no Rio de Janeiro

Posted on

A atual crise econômica do país tem atingido bem mais intensamente o setor de transporte coletivo urbano do que se pode supor. Tarifas defasadas, trânsito que compromete as viagens, poucos corredores exclusivos, aumento de insumos e de folha de pessoal somado a perca crescente de passageiros são fatores que estão levando muitas empresas a encerrarem suas atividades. Na última segunda-feira (26), a Algarve, do Rio de Janeiro, uma empresa com mais de 100 ônibus e 500 funcionários, decidiu pelo fechamento apesar do recente reajuste no preço da passagem que saiu de R$ 3,40 para R$ 3,80. Segundo comunicado da empresa,  os custos operacionais superiores à receita, não permitiu o equilíbrio econômico-financeiro necessário para continuidade das atividades.

A Algarve é a quinta empresa de ônibus do Rio de Janeiro que fecha as portas num intervalo de um ano. Translitorânea, Rio Rotas, Andorinha e Top Rio também não operam mais como empresa de transporte. “No imaginário popular, ainda resiste uma  ideia deturpada de que as empresas de transporte coletivo “nadam em dinheiro”, sem a percepção de que na absoluta maioria das cidades brasileiras todo o custo operacional (despesas com óleo diesel, pessoal, encargos sociais, impostos etc) é bancado tão somente com as passagens pagas pelos passageiros. Com tarifas defasadas, menos passageiros transportados, aumento de insumos e sem subsídios governamentais, não há empresa que consiga manter o equilíbrio”, afirma o diretor institucional do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de João Pessoa (Sintur-JP), Mário Tourinho.

Ainda segundo Mário, outro equivoco sobre as empresas de ônibus é pensar que as gratuidades por lei garantidas a alguns segmentos sejam custeadas pelo governo federal, governo estadual ou governo municipal. “São poucas as cidades brasileiras que subsidiam e isentam os impostos em relação ao transporte coletivo urbano.E como tem faltado uma priorização ao transporte coletivo com a garantia de infraestrutura e incentivo seja por subsídio seja por isenções tributárias, o setor chegou também a um ponto tão crítico que até em cidades como o Rio de Janeiro, cuja passagem está em R$ 3,80, essas cinco empresas já fecharem suas portas em menos de um ano”, destaca Mário.

No meio de tamanha crise no setor, especula-se que mais aumento no preço do óleo diesel estaria para acontecer a partir de 1º de fevereiro. Segundo Mário, a única forma de dar sustentabilidade ao setor é o subsídio governamental, como já vem sendo feito – por exemplo – na cidade de São Paulo em que a tarifa total é de R$ 5,17 mas os passageiros pagam R$ 3,80 e o governo banca a diferença de R$ 1,37. “A situação é crítica e não estamos exagerando”, finaliza o executivo do Sintur-JP.

Asplan monta plantão para orientar produtores de cana-de-açúcar da Paraíba na inscrição do Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS

Posted on

Inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS deve ser feita até o dia 31 de julho. Plantão começa nesta terça-feira (26), no prédio sede da entidade

O produtor rural canavieiro que não fizer sua inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS até o dia 31 de julho ficará impedido de receber o pagamento pela cana fornecida à indústria. E para que nenhum de seus 1.800 associados fiquem prejudicados, a Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan) montou um plantão para dar orientação e consultoria para quem tiver dúvidas em relação a esse procedimento determinado pelo art. 1º da Portaria nº 014/GSF, de 3 de março de 1998, que passa a vigorar com outra redação.

O plantão que começa nesta terça-feira (26) vai funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h ao meio dia e das 13h às 17h, no primeiro andar do prédio sede da entidade que fica na Rua Rodrigues de Aquino, 267, Centro. A gerente administrativa da Asplan, Kiony Vieira, lembra que o serviço não tem nenhum ônus para o produtor associado e que irá acontecer até que todos sejam atendidos. Dois funcionários da Asplan foram escalados para o atendimento.

A nova resolução, explica o contador da Asplan, Aderaldo Júnior, estabelece que  os produtores agropecuários, pessoas físicas, precisam se inscrever no Cadastro de Contribuintes do ICMS-CCIMS, mediante preenchimento do formulário denominado Ficha de Atualização Cadastral (FAC), modelo 69. Embora a legislação estadual estabeleça que essa inscrição ocorra até o dia 1º de agosto deste ano, uma resolução recente do Governo Federal, que se sobrepõe a estadual, fixa como data limite o dia 31 de julho.

“Como a burocracia para efetivação da inscrição é grande e exige vários documentos, imaginamos que nossos associados precisem de orientação específica para realizar sua inscrição e montamos esse esquema especial de plantão para dar as devidas orientações e facilitar todo o processo”, explica o presidente da Asplan, Murilo Paraíso. Ele lembra que a inscrição é muito importante para o produtor porque sem ela, após o dia 31 de julho, as unidades industriais ficam impossibilitadas de procederem com o pagamento para o produtor que não estiver com a sua inscrição em dia.

Números da indústria da cana-de-açúcar no Brasil mostram potencial do setor que gera 900 mil empregos diretos

Posted on

Um levantamento sobre o potencial do setor sucroenergético brasileiro mostra a dimensão e importância da indústria de cana-de-açúcar no país. O estudo feito pelo movimento #AquiTemAgro aponta que as 371 unidades produtivas em atividade no Brasil movimentaram US$ 10 bilhões em divisas externas, em 2014, com as exportações de açúcar e etanol. O estuda mostra ainda que o setor gera 900 mil empregos diretos e congrega 70 mil produtores rurais independentes, dos quais quase 30 mil estão no Nordeste.

Maior produtor mundial de cana-de-açúcar, com cerca de 630 milhões de toneladas processadas na última safra (2014/2015), o Brasil também está acima da média mundial quando se trata do uso de energias limpas e renováveis, já que a cana-de-açúcar é responsável por 15,7% da matriz energética nacional. Como segundo maior produtor de etanol no mundo, com um volume de 28 bilhões de litros na safra 2014/2015, o Brasil contribuiu com a redução de mais de 300 milhões de toneladas de Gases de Efeito Estufa, de 2003 a 2015.

O Brasil também é o maior produtor e exportador de açúcar do mundo, com 36 milhões de toneladas produzidas, na safra 2014/2015, e 24 milhões de toneladas exportadas. A maior parte da produção canavieira concentra-se na região Centro-Sul. No Nordeste, Alagoas lidera o ranking de produção de cana-de-açúcar, seguida de Pernambuco e depois da Paraíba.

“A produção de cana no Brasil é algo altamente estratégico e precisa ser mais valorizado. Os números são impressionantes, mesmo após o fechamento de muitas indústrias, nos últimos anos.  A política de ajustes fiscais, por exemplo, que já está sendo revista, tirou a competitividade do etanol por muitos anos. O governo precisa também estar mais atento às diferenças estruturais e regionais da produção de cana. No Nordeste, é muito mais dispendioso produzir cana que no Sul do país”, destaca o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, entidade que dá o suporte necessário na defesa dos interesses da categoria. A sede da Asplan fica na Rua Rodrigues de Aquino, 267, no Centro, em João Pessoa.

Dados sobre o Nordeste

A capacidade de moagem nordestina instalada é de 73 milhões de toneladas de cana. Porém, com a seca que atingiu a região nos últimos anos, a safra caiu para 36 milhões. No Nordeste estão registrados 25 mil produtores de cana, 76 unidades industriais. Nos últimos anos, porém,  foram fechadas 11 unidades na região.

XE da Jaguar é premiado como o mais seguro de sua categoria

Posted on

Em uma votação promovida pelo renomado programa de segurança veicular europeu, o Euro NCAP, o recém-lançado Jaguar XE foi eleito o carro mais seguro em sua categoria em 2015. O sedã compacto esportivo da Jaguar recebeu a classificação máxima de cinco estrelas nos testes do instituto, pelo amplo pacote de equipamentos de segurança de série e construção leve e moderna. O XE se destaca pela estrutura feita com 75% de alumínio, muito mais do que qualquer outro carro em sua categoria, porém extremamente rígida com níveis de torção baixos e segurança exemplar, sem comprometer o design e o refinamento do veículo.

O XE tem um design inovador, acabamento superior de luxo,  requinte, conforto, robustez e desempenho e, além de tudo isso, um preço mais acessível. O sedã compacto esportivo da Jaguar está disponível nas versões Pure, Pure Tech, R-Sport e S. O Jaguar XE tem duas opções de motorização, sendo que a primeira conta com um propulsor 2.0 turbo, que entrega 240 cv. Já a segunda opção conta com um propulsor 3.0 turbo V6, que consegue desenvolver uma potência de 340 cv, que são suficientes para fazer o modelo, que é bem leve, atingir velocidades impressionantes. A primeira opção consegue um torque de 34,6 kgfm, conseguindo acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 6,8 segundos, enquanto que a segunda opção atinge um torque de 45,8 kgfm e acelera de 0 a 100 km/h em apenas 5,1 segundos.

“Quem dirigir o Jaguar XE vai sentir a diferença, porque ele é um veículo que consegue aliar luxo, potência, disposição, conforto e esportividade. O XE é muito superior, em todos os aspectos, aos veículos de sua categoria. Basta dirigir para sentir”, afirma a gerente geral da concessionária Rota Premium PB, Mônica Paiva.

SENAR abre inscrições para a seleção do Curso Técnico em Agronegócio

Posted on

As matrículas do curso já estão abertas e vão até o dia 15 de fevereiro. Na Paraíba são ofertadas 160 vagas

Quem está buscando formação  profissional na área do agronegócio, tem uma excelente oportunidade de conquistar uma vaga no Curso Técnico em Agronegócio da Rede e-Tec Brasil no Serviço Nacional de Aprendizagem Rural-SENAR. As matrículas para o terceiro processo seletivo do curso já estão abertas no portal http://etec.senar.org.br/ e vão até o dia 15 de fevereiro.  Por ser um curso formal de nível técnico, certificado pelo Ministério da Educação (MEC), para se inscrever o candidato precisa ter o Ensino Médio completo. A seleção é realizada por meio de provas objetivas de Matemática, Conhecimentos Gerais, Português e Redação.

Neste terceiro processo seletivo para o Curso Técnico em Agronegócio, o SENAR está oferecendo mais de 2.500 vagas em 19 estados do país. Para a Paraíba serão disponibilizadas 160 vagas, sendo 80 em João Pessoa, 40 em Alagoa Grande e 40 em Campina Grande. E quem não quiser perder a chance de participar do curso, deve revisar o conteúdo da prova seletiva, porque há uma alta concorrência pelo fato do curso ser gratuito, quase todo na modalidade a distância e ser de alta qualidade.

“A aquisição de conhecimentos técnicos amplia as oportunidades de trabalho e melhora a qualidade de vida no campo e, consequentemente, contribui para o crescimento da produção em nosso país e esses cursos do SENAR são reconhecidos, em nível nacional, como excelentes pela formação que eles proporcionam e pela facilidade de acesso ao conhecimento, já que os cursos são feitos, em sua maior parte, de forma semipresencial”, lembra o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso.

A modalidade semipresencial do Curso Técnico em Agronegócio a que o presidente da Asplan se refere dá ao aluno a vantagem de poder assistir a maior parte das aulas em sua própria casa, na fazenda, no sindicato ou  onde preferir. Oitenta por cento do conteúdo fica disponibilizado no portal da rede. Mas como prática é fundamental, os alunos também cumprem 20% do total de 1.230 horas-aula nos polos de apoio presencial da rede, propriedades rurais e agroindústrias.
A Rede e-Tec Brasil no SENAR conta atualmente com 58 polos, instalados em parceria pela administração central do SENAR e suas administrações regionais, nos estados do Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins, além do Distrito Federal. Ao se inscrever para a seleção, o candidato deve indicar em qual polo fará o exame e também o curso, caso aprovado.

Canavieiros do Nordeste farão protesto para cobrar pagamento da subvenção

Posted on

Os produtores de cana-de-açúcar do Nordeste farão um protesto nesta quinta-feira (21), durante a visita da presidenta Dilma Rousseff ao Recife. A presidente tem agenda na capital pernambucana para inauguração da Via Mangue. A manifestação que está sendo organizada pela União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida) e terá a participação de caravanas de vários estados da região, inclusive da Paraíba, e está prevista para começar às 9h.

O objetivo da manifestação, segundo o presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan), Murilo Paraíso, é mostrar a presidente a insatisfação da classe produtiva com as promessas enganosas do Governo Federal, em relação à subvenção. “Os produtores do Nordeste esperaram mais de um ano pela subvenção. A presidente Dilma precisa olhar com uma atenção especial essa questão, pois não há justificativa, nem crise econômica, que respalde o descaso do atual governo com um setor tão importante para a economia do Nordeste. Vamos a Recife mostrar a ela que merecemos respeito e consideração”, argumenta o presidente da Asplan.

O produtor que quiser integrar a comitiva da Paraíba deve ligar para o número 3241-6424 e se dirigir ao prédio sede da Associação, na Rua Rodrigues de Aquino, 267, Centro, João Pessoa, na quinta-feira. De lá, partirão ônibus fretados rumo a capital pernambucana por volta das 6 horas da manhã.

Em julho do ano passado, completou um ano que a Lei 12.999, que trata da subvenção, foi sancionada pela presidente. E a referida lei expiraria no final de 2015. Mas, a esperança dos produtores de cana-de-açúcar do Nordeste e do Rio de Janeiro de receberem o pagamento da subvenção, assegurada pela Lei 12.999, foi renovada, graças a uma iniciativa da Unida, que contou com o apoio do deputado federal, Givaldo Carimbão (Pros/AL). O parlamentar enviou no dia 15 de dezembro uma emenda à Medida Provisória (MP) 701/15, que trata da cota americana do açúcar do NE ao mercado dos EUA. A emenda pede o pagamento da subvenção da cana nordestina em 2016, através da prorrogação da referida lei.

“A revolta dos milhares de canavieiros nordestinos é enorme com a falta de palavra da presidente Dilma e por ter usado o segmento”, afirma o presidente da Unida, Alexandre Lima, O dirigente acusa a presidente de ter usado a dor e a confiança dos canavieiros, quando publicou uma lei a quatro meses das eleições presidenciais, para arregimentar apoio eleitoral do setor, mas sem a intenção de cumprir a lei da subvenção.